Museu Nacional da Eslovénia

Na rua Muzejska ulica 1, encontra-se a mais antiga instituição científica e cultural do país, principal museu da história nacional, o Museu Nacional da Eslovénia e o Museu de História Natural, ambos partilham o mesmo edifício.

O Museu Nacional mantém uma série de descobertas da Eslovénia consideradas importantes tesouros do património cultural do mundo. Um dos mais proeminentes é a flauta Neandertal com 55 mil anos de idade oriunda do local de escavação Divje Babe.

O edifício onde os dois museus estão alojados é um palácio neo-renascentista construído entre 1883 e 1885 segundo projectos de Viljem Treo.

Ljubljana - Museu Nacional da Eslovénia

A história do Museu Nacional remonta a 1821, com a fundação do seu antecessor, o Museu Provincial de Carníola.

No âmbito das suas exposições permanentes encontram-se:

  • Lapidário Romano (da Emona Romana), com cerca de 200 pedras monumentos com inscrições.
  • Os tesouros, com uma selecção dos itens arqueológicos mais importantes e valiosos desde a Idade da Pedra à Idade Média e os primeiros tempos da Idade Moderna;
  • A linguagem eslovena, identidade e símbolo, que apresenta a história do  espaço étnico esloveno à luz da gradação da língua eslovena desde a língua das pessoas até a língua da nação;
  • Colecções de história e arte, colecção de artefatos, feitos e utilizados no país – típicos e importantes para a Eslovénia e os eslovenos;
  • Antiga múmia egípcia, único caixão antropomórfico do Antigo Egipto com uma múmia humana, na Eslovénia.

As exposições temporárias a decorrerem actualmente no museu, podem encontrar aqui. Outros pormenores relativos à visita, nomeadamente horários de funcionamento e custos de admissão, também podem encontrar aqui.

O Museu de História Natural, por sua vez, possui colecções com itens nacionais, europeus e mundiais que demonstram as alterações na biodiversidade, o desenvolvimento do pensamento da história natural, bem como diferentes técnicas de colecta e preparação de amostras. As suas actividades de pesquisa concentram-se no património natural da Eslovénia.

Neste site encontram informação relativa a horários e custos de admissão referentes a este museu.

Um pouco do estado em Ljubljana

Deixando para trás a praça Kongresni trg, o percurso levou-me à rua Šubičeva ulica, e no numero 4 é onde se encontra o edifício do Parlamento esloveno, que abriga a Assembleia Nacional da República da Eslovénia.

Não se trata de um edifício antigo, antes é relativamente recente tendo sido construído entre 1954 e 1959.

“Foi projectado pelo arquitecto Vinko Glanz para abrigar o parlamento esloveno de então, a Assembleia Popular, e foi modelado com base nos edifícios da antiguidade clássica e bastante influenciado pelo sobre-emocional realismo da época da sua construção. A solução do arquitecto para a fachada, coberta em vários locais por variedades de pedra, reflecte uma influência directa de obras do arquitecto Jože Plečnik. Um atractivo que se evidencia de imediato no edifício é o portal de entrada que cobre dois andares e é ladeado por estátuas de Zdenko Kalin e Karl Putrih que representa os trabalhadores.

O interior do edifício é decorado com pinturas e frescos por vários artistas eslovenos, a mais notável das quais é a pintura de parede de Slavko Pengov que se estende através de todo o vestíbulo até ao grande salão e que retrata a história dos eslovenos. Desde que a Eslovénia se tornou um Estado independente, o interior do edifício foi renovado várias vezes para se adequar às exigências do novo parlamento.” (texto traduzido e adaptado daqui)

No entanto como não é possível admirar o interior do edifício já que o mesmo não está aberto ao publico, tive que me cingir a apreciar a impressionante escultura que circunda a entrada principal.

Ljubljana - Edifício do Parlamento

Na praça da República (Trg republike), em frente, existem vários monumentos, mas houve um que despertou particularmente a minha atenção, um Monumento à Revolução (Spomenik Revolucije).

“A comissão da  monumental escultura foi para Drago Tršar (nascido em 1927), um escultor que pertence à primeira geração de formandos da academia, e que se tornou professor assistente na mesma instituição em 1960. Concebida em 1964, uma escultura – parte central do monumento – seguiu o princípio do trabalho Tršar de pequena escala. Devido à autonomia da escultura, que era “incapaz de abandonar os últimos vestígios do figurativo”, os esforços de Tršar foram rotulados pelos críticos de arte local, como “arte figurativa abstracta”. No monumento, a sua principal preocupação era como transferir a energia e dinâmica dos “manifestantes” e “demonstrantes” (isto é – a multidão), na escultura. Tršar afirmou para a media:

“O meu objetivo foi apresentar a ‘revolucionaridade” da nação eslovena em toda a sua grandeza. Na parte esquerda da escultura, os esforços feitos durante a guerra são representados; é construída de forma linear e tem um carácter pacífico. As figuras na escultura são compostas com mudança de massas e ritmos. A parte direita da escultura, no entanto, é mais extensiva, as figuras são comprimidas e fervem para o céu. Na vertical, o objectivo no sentido do melhor foi expresso … “(Delo, 16 de agosto de 1974)

Mas por causa de “razões objectivas”, no entanto, a escultura teve de esperar no estúdio do artista mais de 10 anos antes de ser finalmente erguida em 1975.” (texto traduzido e adaptado daqui)

Ljubljana - Monumento à Revolucao

.

Ainda na Kongresni Trg

Ainda na Kongresni trg, no número 10, é onde se encontra o edifício da Academia Philharmonicorum (1701), sede da Orquestra Filarmónica da Eslovénia.

“O edifício da Filarmónica Eslovena foi construído em 1891 sobre as fundações do antigo Teatro Estatal (Stanovsko gledališče), construído em 1763 para marcar a visita formal do Imperador Joseph II a Ljubljana e destruído num incêndio em 1887.

Como resultado de um concurso público, o arquitecto austríaco sediado em Graz, Adolf Wagner foi contratado para desenvolver os planos para a construção Filarmónica esloveno. A fachada do prédio foi projectada em estilo neo-renascentista, com cantos arredondados característicos dos edifícios teatrais da época. Em 1937, o arquitecto Jože Plečnik acrescentou um anexo na parte de trás do prédio e redesenhou a fachada da rectaguarda. Todo o edifício foi completamente restaurado em 2001.

Ljubljana - Academia Philharmonicorum

A filarmónica eslovena (Slovenska filharmonija) é uma das instituições deste tipo mais antigas do mundo. A sua rica história remonta a 1701, quando a primeira associação musical e principal promotor da música barroca em áreas habitadas eslovenas foi estabelecida sob o nome de Academia Philharmonicorum. Em 1794 a Academia foi sucedida pela Sociedade Filarmónica, antecessora imediata da Filarmónica eslovena, cujos membros incluíam compositores como Josef Haydn, Ludwig van Beethoven e Johannes Brahms, e do violinista Niccolò Paganini. Franz Schubert candidatou-se ao cargo de professor de música e Gustav Mahler foi um dos condutores da Academia entre 1881 e 1882.

A Orquestra Filarmónica Eslovena tem uma orgulhosa tradição como orquestra sinfónica líder do país. Ela faz jus à sua reputação com inúmeras aparições em metrópoles culturais europeias e dos Estados Unidos, bem como concertos em importantes festivais internacionais. A Orquestra já tocou com grandes nomes do mundo da música clássica, incluindo, entre outros, Carlos Kleiber, Riccardo Muti e Zubin Mehta. Depois do seu restabelecimento em 1947 a orquestra foi dirigida por maestros reconhecidos, entre eles por Bogo Leskovic, Samo Hubad, Lovro von Matačić, Oskar Danon, Uroš Lajovic, Milan Horvat, Marko Letonja e George Pehlivanian. Desde Outubro de 2008 é liderada pelo aclamado maestro Emmanuel Villaume.” (texto traduzido e adaptado daqui)

Um pouco mais de Ljubljana na Kongresni Trg

Em Ljubljana, como em muitas outras cidades principais, existem diversas igrejas, cada uma com as suas especificidades arquitectónicas e históricas. A visita exploratória à cidade fez-me passar por algumas.

“O Mosteiro das Ursulinas e a Igreja da Santíssima Trindade, também conhecida como a Igreja das Ursulinas (Uršulinska cerkev), situam-se na rua Slovenska cesta, do outro lado da praça Kongresni trg. Foram encomendados por Jakob Schell von Schellenburg, um rico comerciante local e financeiro, e sua esposa Ana Katarina. Durante a construção da praça Trg republike  quadrado, o Mosteiro passou por uma reconstrução completa e o seu jardim foi completamente destruído.

A Igreja da Santíssima Trindade foi construída pelo arquiteto Carlo Marinuzzi entre 1718 e 1726. A sua fachada ondulada reforçada pela semi-colunas e um frontão característico inspirado pelo famoso arquicteto romano Francesco Borromini tornam-na um dos mais incomuns monumentos barrocos de Ljubljana . Ao contrário de típicas igrejas barrocas não é pintada por dentro. Ainda assim, mantém um grande número de significativas obras  de arte.

Ljubljana - Igreja Ursulina

O altar-mor foi esculpido em mármore Africano multicolorido por Francesco Robba entre 1730 e 1740. O mais bonito dos quatro altares laterais, referidos como Ecce Homo, foi feito por Henrik M. Löhr. As pinturas mais notáveis ​​da Igreja incluem as pinturas de Jacopo Palma Jr. de grande formato: da Virgem Maria com os Santos, de St. Luis de Toulouse e St. Bonaventura, e pinturas de Valentin Metzinger de Santa Úrsula e Santo Agostinho.

Após o terramoto de 1895, campanário original da Igreja foi derrubado e reconstruído. Entre 1930 e 1931, uma escada balaustrada que conduz à entrada principal foi construída segundo um projecto do arquitecto Jože Plečnik. As alas laterais do Mosteiro e seu piso inferior foram renovados pelo arquitecto Anton Bitenc e a sua equipa em 1966″. (texto traduzido e adaptado daqui)

Na praça Kongresni Trg, uma estátua dourada despertou a minha atenção. Trata-se de uma estátua de um cidadão de Emona. O original desta estátua encontra-se no Museu Nacional e data de fins do século III inícios do IV.

A estátua romana de bronze foi descoberta enterrada no parque, e durante algum tempo suspeitou-se ser uma estátua de Constantino, o Grande. Eventualmente foi identificada como uma representação genérica de um cidadão de Emona, o nome romano para Ljubljana.
Ljubljana - estátua de cidadao de Emona
No numero 1 desta mesma praça, a Kongresni trg, encontra-se um outro edifício rosa, que não apenas pela cor das suas fachadas chamou-me atenção.
Trata-se do edifício Kazina e é considerado como um dos mais bonitos edifícios neoclássicos da cidade.
“Foi construído entre 1836 e 1839 em comissão da sociedade Kazina Društvo  para servir como um local para bailes e eventos sociais.

Acima da fachada de entrada há uma grande varanda sustentada por colunas dóricas. A fachada é decorada com pilastras jónicas. As janelas semicirculares do edifício são exemplos do chamado Rundbogenstil (estilo de arco redondo), um estilo arquitectónico  alemão e austríaco inspirado em modelos da Renascença, do século XIX. O salão de baile ricamente decorado no primeiro andar é um dos interiores mais notáveis ​​de Ljubljana. Até ao final da Primeira Guerra Mundial, Kazina era conhecido como centro de identidade nacional alemã da cidade. Durante a Segunda Guerra Mundial foi usado como sede das forças de ocupação alemãs”.(texto traduzido e adaptado daqui)

Ljubljana - Edifício Kazina

Universidade de Ljubljana

Uma outra ponte em Ljubljana, tem um nome muito sui generis: Ponte do sapateiro (Čevljarski most).

“É provavelmente, a mais antiga ponte da Ljubljana medieval. Liga as margens do rio Ljubljanica entre Tranča e a actual Praça Jurčič (Jurčičev trg). A antiga ponte de madeira, integrava provavelmente parte de uma ponte levadiça  que foi criada no século XIII. Depressa casebres foram construídos sobre ela. Como os sapateiros tiveram as suas oficinas pela ponte, depressa adquiriu o nome popular de Sapateiro ou Ponte do sapateiro. Em 1867, a ponte de madeira foi substituída por uma de ferro fundido, um produto excepcional das ferragens de Dvor pri Žužemberku. Esta ponte arqueada sobre o Ljubljanica permaneceu por 65 anos. A ponte de ferro, não suficientemente distintiva e muito estreita para o núcleo da cidade, foi transferida para perto do hospital, entre as guerras.

Uma plataforma larga de concreto cresceu acima do Ljubljanica de acordo com os desígnios de Jože Plečnik nos anos 1931-1932. O arquitecto projectou um quadrado acima da água e protegeu-o por invólucros com balaustradas cilíndricas  Acima deles erguem-se seis pares de pilares, que são os restos do telhado originalmente planeado. O meio da ponte é acentuado por dois candelabros acima do rolamento da ponte”. (texto traduzido e adaptado daqui)

Ljubljana - Ponte do Sapateiro

Um dos primeiros edifícios que encontrei, depois de atravessar esta ponte do sapateiro  foi o da sede da universidade da cidade.

“A Universidade de Ljubljana foi fundada em 1919 sobre os alicerces de uma longa tradição pedagógica.

A Universidade de Ljubljana, reside num edifício elegante do século XIX que possui uma localização privilegiada na baixa.

O edifício é o do antigo Parlamento de Carníola (Deželni dvorec), onde os deputados do governador provincial tinham escritório e residiram até 1791. Em 1821, a Mansão Provincial sediou o Congresso da Santa Aliança, que reuniu vários monarcas europeus (o imperador austríaco, o czar russo e o rei de Nápoles) e que é considerado ter terminado as Guerras Napoleónicas. A mansão foi destruída no terremoto de 1895. Em 1902, um novo prédio foi construído no seu lugar. Desde 1919 é a sede da Universidade de Ljubljana.

O projecto para o edifício da Universidade foi feito pelo arquitecto Jan Hrasky e posteriormente revisto por Josef Hudetz. O edifício tem quatro fachadas diferentes, duas  principais e duas de laterais, e foi projetado no estilo da Renascença alemã com elementos neo-góticos elementos. As fachadas são decoradas com 14 medalhões representando os brasões de cidades Carníolas. Um medalhão retratando o brasão de armas da província adorna a fachada da frente.

Acima da entrada principal, a fachada é reforçada por uma varanda imponente e uma cúpula. A varanda é conhecida como um lugar onde inúmeras figuras políticas eminentes fizeram suas aparições em ocasiões históricas. Outras características marcantes do edifício incluem um grande pátio interior, um pequeno parque com uma fonte adornada com a estátua de France Kralj da Europa, em frente à entrada principal, numerosos retratos de eminentes professores universitários, e uma torre de relógio que sobressai na fachada virada para a rua Vegova ulica.

Ljubljana - actual Universidade de Ljubljana

A universidade é reconhecida pela qualidade dos seus cursos de ciências sociais e naturais, bem como seus programas de estudos técnicos.

Os seus projectos acompanham o ritmo dos últimos desenvolvimentos nas áreas de artes, ciências e tecnologia, internos e no exterior”.(texto traduzido e adaptado daqui)

Na ponte o dragão de Ljubljana

Na cidade de Ljubljana existem diversas pontes que permitem a passagem sobre o rio  Lublianica, algumas mais celebres que outras (a wikipedia enuncia 17 dessas pontes).

O artigo anterior terminou, justamente, referindo a ponte mais célebre da cidade, a ponte tripla (Tromostovje), mas existe uma outra que merece ser referida imediatamente a seguir, a ponte do dragão (Zmajski most)

Esta ponte é um dos pontos turísticos mais conhecidos da cidade. Quatro dragões verdes, dois de cada lado, estão orgulhosamente a guardar a ponte e a própria cidade.

Ljubljana - paisagem avistada da ponte do dragao, a ponte e os dragoes

Antes de mais convém advertir as senhoras: dizem que o dragão acena a cauda, ​​quando a ponte é atravessada por uma virgem!

A história da ponte vai muito para trás no tempo, quando era de madeira e a ponte se chamava de ponte do talhante. Em 1901, a ponte existente foi construída no estilo de arte da secessão, e dedicada a Franc Jozef, o Imperador Habsburgo. Estão escritos de lado os anos que mostram o período do seu governo. Feita de betão armado, é uma das primeiras pontes na Europa construída usando esta técnica.

Mas o dragão em si tem grande preponderância em Ljubljana, integrando o brasão da cidade.

“O dragão simboliza a força, coragem e força, e pode ter tido a sua origem na lenda de Jasão e os Argonautas.

“Era uma vez, um herói grego Jasão e os seus companheiros Argonautas que roubaram um velo de ouro, o brasão de um carneiro de ouro, do rei da Cólquida, no Mar Negro. A bordo do navio Argo eles fugiram dos seus perseguidores e encontraram-se na foz do rio Danúbio em vez de irem para sul, para o Mar Egeu e para a sua pátria grega. Não havia como voltar atrás, e rumaram em frente, até ao Danúbio e, em seguida, ao longo do Rio Ljubljanica. Eles pararam na fonte do Ljubljanica e passaram o Inverno aqui. Eles, então, desmantelaram o Argo e na Primavera carregaram-no nos seus ombros para a costa do Adriático, onde o reconstruiram e continuaram o seu caminho. Segundo a lenda, na sua chegada entre o que é agora Vrhnika e Ljubljana, os Argonautas atravessaram um grande lago com um pântano ao lado. No pantano vivia um terrível dragão que Jasão matou depois de uma luta heróica. O monstro teria sido o dragão Ljubljana. Diz-se que Jasao teria sido o primeiro cidadão de verdade de Ljubljana.”

Existem duas versões mais realistas da história do dragão. De acordo com a primeira, ele foi levado de São Jorge, o santo padroeiro da capela do castelo. Em frescos e estátuas, São Jorge é muitas vezes visto de pé ou a cavalgar enquanto mata o dragão com uma lança. O dragão nas lendas de São Jorge representa as antigas crenças ancestrais que a nova religião semita – Cristianismo – derrotou. A colina do Castelo foi em tempos ancestrais um lugar sagrado, onde os portadores de uma cultura de funerais de cremação tinham uma fortaleza e adoravam o seu deus. Quando na Idade Média, os fundações do castelo de hoje foram colocadas para baixo, também queriam simbolicamente ultrapassar as antigas crenças, por isso também dedicaram a capela do castelo a São Jorge.

Alternativamente, na mitologia eslava o dragão representa o deus Veles, adversário do supremo deus trovão Perun, o maior dos deuses eslavos. Na religião eslava, Perun era adorado geralmente numa colina; enquanto Veles mais abaixo, era geralmente adorado perto de um mercado.

A primeira explicação está relacionada com a segunda, que o dragão evoluiu desde a decoração no brasão da cidade medieval que inicialmente representava apenas os muros da cidade ou portões. O pequeno animal, um complemento decorativo acima do brasão de armas, mudou-se para o brasão de armas, no período barroco, com o surgimento da torre e outro simbolismo nos século XIX e, especialmente, XX. O dragão foi usado como parte do brasão em vários edifícios, propriedade da cidade, e após a Segunda Guerra Mundial, foi usado por várias empresas, desde em rótulos de garrafas de cerveja, ao nome de uma fábrica de tocha ou como um prémio por conquistas na moda. (texto traduzido e adaptado daqui)

Igreja Franciscana, a Igreja da Anunciação

A Igreja da Anunciação é um dos ex-libris emblemáticos de Ljubljana, e não é para menos, com a cor das suas fachadas tão sui generis e a sua localização central no coração da cidade.Ljubljana - Igreja da Anunciacao - exterior

“O Mosteiro Franciscano e a Igreja da Anunciação são os dois edifícios que mais contribuíram significativamente para o aparecimento da praça Presernov trg , a praça central de Ljubljana. Até o final do século XVIII, o mosteiro foi a casa dos monges Agostinhos. A Igreja da Anunciação foi construída entre 1646 e 1660. A sua fachada, concluída por volta de 1700, reconstruída no século XIX e renovada em 1993, está adornada com uma estátua de cobre de Santa Maria, a maior estátua de Nossa Senhora na cidade.

Ljubljana - Igreja da Anunciacao - interior

A igreja tem um altar-mor monumental construído pelo escultor Francesco Robba no meio do século XVIII. O interior da igreja, pintado com frescos de Matevž Langus em meados do século XIX, assumiu a sua aparência actual após o terramoto de 1895. Entre 1935 e 1936, o tecto da igreja foi pintado com frescos de Matej Sternen. Numa capela dedicada há uma cruz desenhada pelo arquitecto Jože Plečnik.” (texto traduzido e adaptado daqui)

A praça onde esta igreja se encontra, denominada de Prešeren, e na mesma encontra-se um monumento ao poeta nacional da Eslovénia. France Prešeren nasceu em 1800 e escreveu numa época em que muitos povos europeus estavam a começar a descobrir e a proclamar o seu orgulho nacional. A sua imagem esculpida parece nobre à distância enquanto uma musa nua, mas vagamente camuflada, aponta atrás dele, e tem um ramo de louro dourado acima da sua cabeça. O monumento foi criado em 1905.

Ljubljana - Monumento a France Prešeren

A ponte tripla (Tromostovje) em frente à praça e à igreja, é um grupo de três pontes sobre o Rio Ljubljanica. Ela conecta a cidade medieval e histórica de um lado à cidade moderna do outro.

A ponte central destas três que formam a ponte tripla, permanece no seu lugar desde 1842, quando substituiu uma ponte velha medieval de madeira, importante estrategicamente  que ligava as terras do noroeste da Europa com o sul da Europa e dos Balcãs. Entre 1929 e 1932, foram adicionadas, à ponte de pedra original, as duas pontes laterais, destinadas a pedestres, segundo um projecto do arquitecto Jože Plečnik que assim criou uma jóia arquitectónica única de Ljubljana.

Plečnik removeu as grades de metal da ponte de pedra antiga e decorou as três pontes com balaustradas de pedra maciça e lâmpadas. De cada uma das pontes laterais, duas escadas levam a terraços situados logo acima do rio, onde foram plantadas árvores de álamo que contribuem para a aparência geral da ponte.

Na margem direita do rio, a ponte é reforçada por uma pequena loja de flores ligada à colunata do Mercado Central de Ljubljana, e na margem esquerda por um quiosque. Ele tem uma posição chave no cruzamento dos dois eixos urbanos Plečnik, o eixo do rio e o eixo correndo entre a Rožnik e as colinas do castelo. Em 1992, a ponte tripla foi completamente renovada”.(texto traduzido, adaptado e retirado daqui)

Sem dúvida um ponte imperdível, e pela qual passei diversas vezes nos dois sentidos.

Ljubljana - paisagem com a ponte Tripla e a Igreja da Anunciacao

A fim de evitar que o arco de pedra ponte 1842 de ser um gargalo, uma passarela foi adicionado a ele com um ligeiro ângulo de cada lado, em 1931, de acordo com o design do arquitecto Jože Plečnik de 1929. Obras continuaram até a primavera de 1932. Em 1992, a ponte foi renovado e, desde 2007, todas as três pontes foram parte da zona pedonal, somente Ljubljana.
A ponte central está parcialmente construído a partir de Glinica calcário. Outras peças são construídas a partir de concreto. As balaustradas com 642 balaústres são feitas de concreto artificial. A plataforma é coberto com blocos de granito estabelecidas em 2010. Anteriormente, ele foi coberto com asfalto.

Catedral de Ljubljana – Igreja de S Nicolau e um pouco mais

A Catedral de Ljubliana é a Igreja de S Nicolau.

Ljubljana - Catedral - Igreja de S Nicolau - fraccoes do exterior

“No local da Catedral houve previamente uma igreja românica de três naves cuja menção mais antiga remonta a 1262. Após o incêndio de 1361, foi re-abobadada no estilo gótico. Quando a Diocese de Ljubljana foi criada em 1461, a igreja passou por várias alterações e acréscimos. Em 1469, ela foi queimada, presumivelmente pelos turcos.

Entre 1701 e 1706, uma nova igreja-salão barroca com capelas laterais moldadas em forma de cruz latina foi construída segundo um protejo do arquitecto jesuíta Andrea Pozzo. Como a cúpula da igreja só foi construída em 1841, originalmente foi pintada uma cúpula falsa no arco acima do centro da cruz. A decoração interior barroca sobrevivente inclui, nomeadamente, frescos de Giulio Quaglio (pintado nos períodos de 1703-1706 e 1721-1723), estátuas de Angelo Putti de quatro bispos de Emona situadas sob as vigas da cúpula (1712-1713), uma pintura de Putti do Deão Janez Anton Dolničar (1715), que iniciou a reconstrução da igreja em 1701, de Francesco Robba, os anjos do altar, na parte esquerda da nave (1745-1750) e dos irmãos Paolo  e Giuseppe Groppelli os anjos do altar na parte direita da nave (1711 ).

Uma série de outras obras de arte foram adicionadas mais tarde. Uma das mais interessantes é o fresco da cúpula pintado por Matevž Langus em 1844. As adições mais destacadas do século XX incluem os relevos da porta principal de entrada que representa a história da Eslovénia, obra de Tone Demšar’s, e que foram encomendados para marcar o 1250 aniversário do cristianismo na Eslovénia, e os das portas laterais com imagens de bispos, por Mirsad Begić.” (texto traduzido livremente daqui)

Ljubljana - Catedral - Igreja de S Nicolau - interior

Após a visita à catedral, um pouco depois a Fonte Robba despertou a minha atenção.

Esta fonte também é conhecida desde a primeira metade do século XX como a fonte dos Três Rios Carníolas. A fonte está em frente à Câmara Municipal  da cidade na praça da cidade. A fonte foi feita originalmente em 1751 pelo escultor italiano Francesco Robba e é um dos símbolos mais conhecidos da cidade.

Ljubljana - Fonte Robba

O edifício da Câmara Municipal (localmente conhecida como Mestna Hisa, Magistrat ou Rotovž), é usado como sede do Município de Ljubljana. Foi construído no final do século XV, pelo mestre Peter Bezlaj. A sua aparência actual advém de 1717 – 1719, quando foi adicionado ao edifício um anexo projectado por Carlo Martinuzzi e construído pelo mestre Gregor Maček Snr. Posteriormente o edifício foi alterado várias vezes, sendo que a alterações mais profundas são do arquitecto Svetozar Križaj em 1963.

A fachada reflecte influencias arquitectónicas venezianas. O portal oferece espaço para uma placa do gótico tardio com um brasão de armas sobrevivente do edifício original da Câmara Municipal e uma estátua do século XVII de Hércules com um leão, oriunda de parte de uma antiga Fonte de Hércules que costumava ficar no centro da praça Stari trg, que fica próxima. No pátio arqueado da Câmara Municipal destaca-se a fonte Narciso (Narcisov vodnjak) de Francesco Robba  oriunda do Castelo Bokalce (Grad Bokalce). Próximo à escada há um monumento em memória de Ivan Hribar (1851-1941), um famoso presidente da Câmara de Ljubljana.

Ljubljana - Camara Municipal

Ljubljana… primeiro impacto à chegada

A Capital da Eslovénia é deveras encantadora e com muito mais para oferecer do que as minhas expectativas faziam prever…

Com um nome difícil de pronunciar à primeira impressão, Ljubljana, dado os “j” em vez de “i”, (em português: Liubliana) a cidade é cosmopolita, vibrante e com um surpreendente requinte.

Dista cerca de 406km e 4h de Munique e por isso afigurou-se como um destino bastante plausível de fazer de automóvel, aproveitando a boa qualidade das ligações em termos de auto-estradas. [Admito, viver em Munique, num país do centro da Europa, que faz fronteira com 9 outros, tem vantagens em termos de proximidade a vários países e cidades interessantes.]

Percurso entre Munique e Ljubljana - mapa

A paisagem que se pode avistar durante o percurso entre a capital da Baviera e a da Eslovénia, é também bastante agradável de se desfrutar.

Percurso entre Munique e Ljubljana - um pouco da paisagem

Depois de uma viagem não muito exaustiva, e com a companhia perfeita (o meu marido e o meu três palmos), eis chegado então o momento de começar a explorar a cidade.

Mas não, sem antes estar munida de dois documentos essenciais: um mapa do centro da cidade (Ljubljana Street Plan) e uma brochura com as principais atracções turísticas e outras utilidades (Ljubljana at a Glance), ambos retirados do site turístico da cidade.

O mapa seguinte é o conciso igual ao que consta na brochura “Ljubljana at a Glance”.

Mapa do centro de Ljubljana

Uma das primeiras ruas por que passei e que mereceu bastante o meu interesse e atenção foi a Miklošičeva ulica.

No número 8 desta rua, encontra-se um edifício ao qual é impossível ficar-se indiferente. O edifício do Banco Cooperativo de Negócios, foi construído em 1921 pelo arquiteto Ivan Vurnik, e é que considerado como um dos melhores exemplos da arquitetura de estilo nacional esloveno.

Ljubljana - Banco Cooperativo de Negócios

Mas não é o único que capta de imediato atenção nesta rua. No numero 4 encontra-se o edifício do Banco de Crédito do Povo que foi projetado pelo arquiteto Josip Vancaš em 1907.  Nas suas fachadas nitidamente Art Nouveau, destacam-se os ladrilhos de cerâmica no estilo do arquitecto vienense Otto Wagner e varandas rasas reminiscentes do estilo de Max Fabiani. São notáveis ​​as grades de ferro forjado nas varandas e as duas mísulas com a cabeça das meninas no topo da parte central da fachada do edifício  ricamente decorado. O telhado é coberto por duas figuras femininas sentadas descalças com ombros nus e que seguram uma bolsa, uma colmeia e um par de escudos com as imagens de uma abelha e uma formiga, os símbolos da frugalidade, diligência e riqueza financeira.

Ljubljana - Banco de crédito do Povo

No artigo seguinte a visita exploratória a Ljubljana continua.

Bad Wiessee e o Tegernsee…

Na falta da proximidade ao mar, não faltam lagos. Na Baviera realmente existem muitos lagos, alguns mais perto de Munique que outros.

Mapa com localizacao de Bad Wiessee

Bad Wiessee é uma das cidades que fica nas margens de um desses lagos, o Tegernsee. Já tinha passado pelas imediações deste lago diversas vezes, em busca de outros destinos. (Nomeadamente de alguns dos resorts de Inverno nos Alpes da Baviera, ou do Mosteiro de Benediktbeurn.)

Lago Tegernsee avistado de Bad Wiessee

A pacata cidade de Bad Wiesse, como o próprio nome pode deixar transparecer (Bad significa Termas, Banhos e Wiessee, lago Oeste com o intuito de significar a parte oeste do lago) é uma cidade termal, convidando a umas férias relaxantes e tranquilas.

Bad Wiessee é conhecida sobretudo por dois factos. primeiro pelo tratamento na fonte de enxofre descoberta pelo explorador de petróleo holandês Adriaan Stoop.
Depois por ter sido cenário dos principais eventos ligados à Noite das Facas Longas, a 30 de Junho de 1934, quando Hitler e o Schutzstaffel (SS) (tropa de protecção) expurgaram a liderança da Sturmabteilung (SA) (Destacamento Tempestade), muitos dos quais estavam alojados no resort. Os principais líderes Ernst Röhm, Anton von Hohberg e Buchwald, Karl Ernst, Edmund Heines, e Peter von Heydebreck foram presos e levados para a prisão de Stadelheim, onde foram posteriormente executados.

Eis um pouco do que se pode encontrar na pacata Bad Wiesse.

Bad Wiessee

Na margem oposta do lago, ou seja margem leste, fica a cidade de nome homónimo do lago, Tegernsee.

Depois de deixar para trás Bad Wiesse, dirige-me então para Tegernsee, onde me aguardava um edifício que mesmo à distância me tinha despertado a curiosidade.

Trata-se do antigo Mosteiro Beneditino do Tegernsee.

Abadia do Tegernsee“Foi fundado em 746 pelos dois irmãos nobres Adalberto e nobre Ottokar. Eles queriam voltar as costas ao mundo. Aqui no “tegarin seo” – termo do alto alemão antigo que significa “grande lago” – eles encontraram o local perfeito, um bonito e ensolarado local na margem do lago.

O Tegernsee depressa se tornou um dos centros culturais mais importantes da Idade Média. O rico mosteiro possuía cerca de um terço do actual município de Miesbach, e uma parte das minas de sal de Reichenhall e a terra do sul de Tirol à Baixa Áustria. Uma relíquia desse tempo é, por exemplo, o “Tegernseer Hof”, uma vinícola no bonito Wachau bonito. Neste apogeu também havia no Tegernsee incomparáveis bens culturais e das artes. Havia oficinas de vidro, de ilustração livro, ourives e peças de minério. Especialmente os manuscritos elaborados pelos monges do Tegernsee eram amplamente conhecidos. No período barroco, o mosteiro foi construído e esplendidamente decorado.

Depois da secularização em 1803 o antigo mosteiro passou para a propriedade dos governantes bávaros da família Wittelsbach. Rei Max I Joseph fez do Palácio Tegernsee a sua residência de verão, porque a Rainha Caroline caíu de amores pelo lago encantador. O casal real teve muitos visitantes proeminentes da aristocracia europeia  E com o caminho de ferro dTegernseeque atingiu, primeiro em 1883 Gmund, e depois em 1902  o Tegernsee, depressa começaram a reunir-se aqui os “comuns mortais” turistas em grande número no verão”. (texto retirado, traduzido e adaptado daqui

Actualmente o antigo Mosteiro e posterior palácio alberga uma cervejaria e a escola secundária local.

Tegernsee avistado do Tegernsee