Oktoberfest – num primeiro dia do festival

Um dos dias que eu mais gosto do Oktoberfest, é mesmo o primeiro. Mas isso talvez seja bastante compreensível, atendendo a que o que me move a visitar Theresienwiese (frequentemente apelidada Wiesn para abreviar) durante esta altura do ano não são as Maß (palavra bávara que significa caneca de 1 litro) de cerveja, muito populares típicas neste festival. O que eu aprecio no Oktoberfest, é sentir a animação que move multidões aquele espaço, a alegria e o orgulho dos cidadãos de Munique e da Baviera, a apresentarem ao mundo o porque de ser em Munique que se realiza originalmente este evento, com esta dimensão, e a importância do mesmo em termos da cultura da Baviera.

Por isso o dia em que tudo começa, e a altura do dia em que todos estão mais frescos e sóbrios, é a altura ideal para eu visitar o Oktoberfest. Apesar da enorme multidão concentrada num mesmo local, todos mantém-se muito ordeiros e pacíficos sendo por isso seguro para o fazer acompanhada pelo meu dois palmos.

As festividades do Oktoberfest “abrem” as suas portas em geral no penúltimo sábado do mês de Setembro, garantindo assim que fecham as portas no primeiro fim-de-semana de Outubro. Excepção feita, quando o primeiro domingo de Outubro coincide com o primeiro ou segundo dia do mês, pois nesse caso o festival prolonga-se até ao dia 3 de Outubro para integrar sempre o feriado nacional de reunificação da Alemanha.

Corresponde assim a um festival da cerveja com a duração de 16 a 18 dias.

Seguramente o mais importante evento de Munique e um dos mais famosos eventos na Alemanha, tem mais de 5 milhões de visitantes anualmente.

Este festival teve a sua origem no já longínquo ano de 1810, ou seja, é já bicentenário (apesar de não ter ocorrido anualmente desde o primeiro ano sem interrupções, pois graças a guerras mundiais, e outras crises contam-se 24 anos sem este festival).

Um esclarecimento: Apenas a cerveja que é produzida dentro dos limites da cidade de Munique é permitida ser servida neste festival. Assim as cervejarias detentoras das tendas deste festival correspondem todas a marcas de cerveja de Munique.

No primeiro sábado  do festival é quando decorre a procissão/desfile/parada, com os patronos das tendas, pelas ruas de Munique que culmina com a sua chegada a Theresienwiese  cerca das 10:50 e que se prolonga até cerca das 12 ou 13h.

Nesta procissão podem-se apreciar os patronos propriamente ditos a acenarem nas suas carruagens engalanadas de flores, carroças decoradas puxadas por 2 pares de cavalos que transportam os primeiros barris de cerveja, e outras que transportam pessoas com os trajes típicos, provavelmente membros das famílias “amigas” das grandes casas de Munique representadas nas tendas, grupos de desfile de trajes típicos, damas a cavalo ou homens a pé com o estandarte da casa que anunciam e representam, bandas de música e outros grupos folclóricos (isto para tentar identificar as componentes desta procissão).

A abrir a procissão, alem de membros da segurança publica, de uma banda de musica, e de carruagens com os membros mais honorários da cidade, como o presidente da câmara e família, uma representação do brasão da cidade de Munique: neste caso uma monja em cima do seu cavalo.

Pensei em várias formas de agrupar as fotos tiradas durante a recepção desta procissão em Theresienwiese, mas a que se afigurou como a mais apropriada foi a que demonstra a organização linear da mesma, segundo a chegada cronológica das suas componentes.

Todos se orgulham de algo (a negrito as 6 cervejarias permitidas de servir cerveja no Oktoberfest):

Spatenbrau, a primeira cervejaria a criar uma cerveja propositadamente para o Oktoberfest

Schottenhamel, a primeira tenda do Oktoberfest

Käfer
– Banda de Musica, Schützen (tenda do festival) e Löwenbräu (sim, porque uma mesma marca de cerveja pode estar representada em mais do que uma tenda no festival)

– O vinho num festival da cerveja, Weinzelt.

Paulaner

– A Banda de Musica cujos trajes me atraíram mais, os Schleißheimer Schloßpfeiffer

Hacker Pschorr

Augustiner Brau,  a mais antiga cervejaria de Munique.

Hofbräuhaus

A ordem pela qual as cervejarias surgem na procissão está directamente relacionada com a disposição das tendas no recinto, já que depois do desfile terminar, as carroças que transportam os barris de cerveja ficam localizadas sensivelmente em frente às tendas respectivas.

8 thoughts on “Oktoberfest – num primeiro dia do festival

  1. Continuação…
    Desculpe, mas estava a ficar sem bateria e tive de mudar de fonte pois algo não estava bem com a normal…
    Oktoberfest é uma festa popular,bairrista e promocional da produção local da cerveja, levando a que os produtores se superem e aumentem e melhorem a produção.
    Os turistas não são só alemães, pois não?
    Até à próxima reportagem…
    Beijinho

    • Bom dia!!!
      O Oktoberfest é mesmo uma festa popular, e neste sentido não me refiro a ser apenas frequentada pelas massas. A elite visita as tendas com todo o orgulho e o mesmo interesse. Diria até que neste momento ser visto no Oktoberfest, é o que está mais “in”. Suponho que não são apenas os produtores de cerveja que procuram superar-se para agradar a mais adeptos no Oktoberfest.
      Diria que pelo menos no que toca aos frequentadores regionais, estes são fieis a determinadas marcas/cervejarias, e garantem a possibilidade de entrar na tenda pretendida e no dia e horário desejado, reservando a sua mesa com cerca de um ano de antecedência (e não estou a exagerar).
      Os turistas mais desprevenidos, que procuram à ultima hora um lugar numa tenda, podem-se sujeitar a serem barrados na entrada pelos seguranças musculados (que fazem jus à sua profissão e estatuto, e que numa outra altura do ano devem ser encontrados nas discotecas e festas mais badaladas), a terem que esperar horas para conseguirem mesa, ou a só conseguirem mesa nas tendas mais pequenas e menos concorridas.

      Mas as próprias tendas principais disputam a atenção das celebridades, e certamente, convidam muitas a visita-las, para à posteriori poderem figurar as fotos nas suas páginas de internet e paredes. Nesse domínio a tenda do Hippodrom tem supremacia.

      Sem dúvida alguma que os turistas não são só alemães, muito pelo contrário, vem turistas atraídos pelo Oktoberfest de todo o mundo ou quase.

      E as celebridades também não são apenas nacionais. Basta citar o exemplo flagrante da socialite Paris Hilton, que em 2006 esteve no Oktoberfest vestida a rigor com o seu Dirndl dourado. Outros exemplos de celebridades são a cantora Kate Perry, e as actrizes Hayden Panettiere e Salma Hayek.

      (Ups… desta vez superei-me imenso no tamanho do meu próprio comentário)

  2. Cara “Turista”

    Parabéns pela excelente reportagem, sobre a mais importante festa popular de Munique.

    Acredite que tinha conhecimento deste evento, mas jamais pensei da sua enorme opulência.

    A descrição da “Turista” narrada, passo a passo, as fotos de enorme glamour, permita-me que lhe diga, é o melhor marketing feito a um evento desta dimensão. Acredite que fiquei fascinada!

    Gostaria de referir que, a forma e o entusiasmo como narra este evento, partilha do mesmo entusiasmo de uma cidadã alemã! Significa que, se sente bem, no país que a acolheu.

    Hoje, ao ler o artigo da “Turista”, fiquei com uma vontade enorme de conhecer, in-locco, no próximo evento a realizar.

    Não deixei de admirar o luxuoso cortejo, através das fotos tão elucidativas e, creia, que jamais tinha visto algo similar.
    Adorei ver a monja em cima do cavalo, bem como todas as carruagens, carroças decoradas a rigor, os belíssimos trajes típicos, as damas a cavalo, as bandas de música com trajes soberbos, enfim tudo, num cortejo tão glamoroso!

    Parabéns e muito obrigada por me dar a conhecer uma festa imperdível, a qualquer turista estrangeiro.

  3. Bom dia cara Executiva!

    O Oktoberfest, é sem duvida uma festa que faz parar o transito (no sentido literal do termo), e que quando ocorre, parece que tudo em Munique (ou quase) gira à volta desta festividade.

    Eu aprecio sem duvida as tradições de uma cultura, e sobretudo quando tem tanto orgulho nas mesmas e atravessam transversalmente todas as classes sociais, como é o impacto do Oktoberfest não apenas em Munique, na Baviera, mas na Alemanha como um todo.

    Folgo em saber, que este meu artigo tenha despoletado em si a vontade de visitar Munique e este evento no próximo ano, para assistir ao seu desfile de abertura.

    Eu efectivamente quando aprecio algo, tendo a descreve-lo com grande entusiasmo, mas não me sinto de forma alguma com o mesmo entusiasmo de uma cidadã alemã no que concerne ao Oktoberfest, basta para isso referir que não bebo de todo a sua cerveja (ou qualquer outra, para ser mais exacta).

    Obrigada uma vez mais pelo seu comentário tão gentil e motivador.

  4. Pingback: O Oktoberfest 2012 | Turista Ocasional

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s