Dois festivais em simultâneo

Este ano o Oktoberfest partilha o espaço em Theresienwiese, com outro festival.

Entre 22 e 30 de Setembro decorre na área sul de Theresienwiese o 125º Festival Central Agrícola da Baviera (ZLF – Bayerisches Zentral-Landwirtschaftsfest), um festival de jubileu.

Mas em que consiste este festival agrícola? Qual a sua importância? Que história conta?

Em 09 Outubro de 1810 o Rei Max concedeu a vários proprietários da terra e amigos da agricultura a maior autorização de criação de uma associação agrícola na Baviera. Em 1811, esta associação organizou o primeiro festival nacional em homenagem ao casamento do Rei Ludwig I com Therese von Sachsen-Hildburghausen, que ocorrera no ano anterior: nasceu assim o Festival Central Agrícola da Baviera.

Desde essa data este festival foi realizado 124 vezes, celebrando-se este ano o 125º festival. Desde 1949, quando foi realizado o primeiro festival após a guerra, é organizado pela Associação de Agricultores da Baviera.

O festival agora ocorre a cada quatro anos, pelo que o jubileu 125 cai ligeiramente fora do prazo. Assim este festival acontece 201 anos, em vez de 200 anos após o primeiro festival. O local mantém-se, ou seja, em Theresienwiese em Munique mas é menor devido à Oktoberfest, o “festival irmão”.

O tema do festival deste ano é “Agricultura como centro da vida”. Uma reprodução de um globo que pode ser atravessado foi colocado no centro para simbolizar a importância global da agricultura e silvicultura, bem como indústria de alimentos. O piso térreo do globo mostra o que significa “agricultura eficiente, inovadora e sustentável”. No 1º andar. acolhe pela primeira vez Welthungerhilfe (Ajuda à Fome no Mundo) como convidado no Festival.

Também são apresentados, os mais recentes desenvolvimentos no domínio das energias renováveis, garantia de qualidade da alimentação e o tema “sazonal – regional – global” são questões centrais do festival.

Uma grande tenda de animais com espectáculos na grande arena é uma das atracções especiais no festival. Também decorrerá a famosa corrida de cavalos que teve lugar por ocasião do casamento do príncipe herdeiro Ludwig da Baviera com Therese von Sachsen-Hildburghausen no ano de 1810.

Aqui podem encontrar todo o programa deste festival agrícola, com o mapa do espaço em Theresienwiese adjudicado ao mesmo, ou seja, uma área de 120.000 m².

Quando visitei o Oktoberfest no transacto domingo tinha ficado com a impressão que muitos dos divertimentos tinham mudado de sítio, mas não percebi porquê. Afinal a explicação era simples. Este ano o Oktoberfest ocupa 26 hectares de Theresienwiese ao invés dos 31 hectares que ocupou no ano passado.

A imagem emblemática do Oktoberfest com as tendas principais ao longo de um corredor, avistando-se ao fundo deste, a roda gigante, não é possível de captar este ano. A Roda Gigante foi deslocada para outro canto do festival, assim como muito outros divertimentos como a montanha russa dos círculos olímpicos (outro clássico, que capta sempre a minha atenção desde o primeiro ano em que estive no Oktoberfest).

Que este rearranjo foi feito por muito bons motivos, eu não tenho a mínima dúvida. Quem visitar este ano Theresienwiese nesta altura, tem um motivo e um festival acrescido para o fazer.

Quem visitar o Oktoberfest pela primeira vez, ficará impressionado com a dimensão do recinto e tudo o que o mesmo possui. Mas para quem for um habitué deste festival, talvez se aperceba que vários clássicos mudaram de sítio.

Eu sobretudo apercebi-me que a área ocupada pelo cerne dos divertimentos, parece sobre-lotada, dando a sensação de tudo “atulhado”.  Claro que também contribui para esta sensação o facto de ter visitado o festival, seguramente em um dos dias de maior procura, e a noção de multidão e de aperto ter atingido um novo máximo para mim.

Estar num local com uma enorme multidão não me preocupa ou incomoda por si mesmo, mas quando estou acompanhada pelo meu três palmos, é algo que prefiro evitar com grande ênfase.

Ficou o lembrete: numa próxima oportunidade, prefiro visitar o Oktoberfest, durante um dia menos concorrido, de preferência durante a semana e de manhã ou ao início da tarde…

Talvez seja na tenda da Dallmayr que encontre lugar para me sentar…

6 thoughts on “Dois festivais em simultâneo

  1. Querida Turista:
    Que bom a agricultura poder ser fonte de orgulho. Por aqui foi a sua agonia que tem sido celebrada. Infelizmente. Estamos muito dependentes das importações, e agora é um pouco tarde. Eram as “quotas”, muitos países produtores contribuíram para o nosso verdadeiro empobrecimento, entregando-nos dinheiro fácil que foi direitinho para o betão e afins. A troco de desactivarmos agricultura, pesca, etc. Maus amigos e fracas cabeças as que nos têm dirigido.
    Mas passada a reflexão, gostei muito da sua reportagem e então aquele seu descanso na Dallmayr…que bem deve ter sabido. A prendinha que a N. me trouxe de Munique foi lá comprada!
    As fotos ficaram muito bem. Concordo que com o seu três palmos deve evitar dias demasiado concorridos.
    Beijinhos.

    • Bom dia!

      Realmente o seu comentário fez-me pensar, nos “jogos de soma nula” pois para uns triunfarem outros tem que perder. E num mercado de liberdade de concorrência quem subsiste são os mais fortes e eficientes, que podem competir com melhor qualidade e mais baixo preço. No que toca a agricultura, infelizmente Portugal não pertence a esse grupo… O meu problema não é tanto a agricultura em Portugal ser mais para auto-consumo, e consumo interno (mas a esse nível devo reconhecer com orgulho que em Agosto vi à venda cá, no supermercado que frequento, laranjas e limões Portugueses e que os mesmos eram publicitados em letras garrafais, e que na altura de Inverno já encontrei castanhas à venda portuguesas), mas sim, não identificar sectores em que Portugal tenha uma supremacia sustentada em relação a outros países.

      Tendas como a da Dallmayr no Oktoberfest, quebram um pouco a “monotonia” das tendas de Cerveja que não fazem tanto o meu género, e reforçam a ideia que o Oktoberfest pode ser também uma festa de família.

      Beijinhos

    • Sim é mesmo imensa gente, ainda mais, nos dias e horários mais concorridos como ao fim-de-semana e de tarde e à noite.

      (Mas olhe que mesmo assim não se deve assemelhar à multidão no sambódromo durante o Carnaval do Rio)

      Mas em geral as pessoas são bastante ordeiras e não se criam grandes confusões.

      E se há povos que tem muito orgulho da sua cultura e tradições, seguramente os da Baviera são um deles.

      Beijinho

  2. Cara “Turista”

    Um artigo muito interessante!

    As fotos estão ótimas! Verifica-se muita animação, alegria e cor.

    Dallmayr, uma tentação!

    Beijinho.

    • Bom dia cara Executiva!
      Fico contente por ter achado o artigo interessante e ter gostado das fotos.
      Sem dúvida alguma, no Oktoberfest, quer chova quer faça sol, o que não falta nunca é muita animação, alegria e cor.
      A Dallmayr é sempre uma tentação…

      Beijinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s