Nördlingen, de regresso aos tempos medievais

Um outro dia, regressei à região da Suábia na Baviera, à qual também pertencem Donauworth e Harburg, mas para visitar uma cidade que ficava um pouco mais a norte, Nördlingen, e que também integra a rota romântica alemã.

Nördlingen dista de Munique cerca de 133km e o mapa seguinte elucida acerca da sua localização relativa à capital da Baviera e às outras duas cidades já mencionadas.

Nördlingen está localizada no meio da bacia do Ries, uma gigantesca cratera resultante do impacto de um meteorito há milhões de anos.

A primeira vez que há registos de ter sido mencionada na história, foi em 898 pelo que em 1998 a cidade celebrou o seu 1100º aniversário.

Até à Guerra dos 30 anos (1618–1648) e a Batalha de Nördlingen (1634), a cidade foi uma das maiores cidades comerciais na Alemanha. A feira de comércio de Nördlingen (Pfingstmesse) foi pela primeira vez mencionada em 1219. A cidade foi palco de uma segunda batalha  durante a Guerra dos 30 anos.

Nördlingen foi uma das primeiras cidades protestantes e tomou parte na Protestação em Speyer em 1529.

Em 1604 uma versão mais curta e simplificada da obra de William Shakespeare, Romeu e Julieta decorreu na cidade, o que foi uma das primeiras apresentações de uma obra de Shakespeare fora de Inglaterra.

Em 1215 o Imperador Frederick II declarou Nördlingen uma cidade Livre do Sacro Império Romano tendo permanecido como tal até 1802, quando passou a integrar a Baviera.

Actualmente Nördlingen , Rothenburg ob der Tauber e Dinkelsbühl são as três únicas cidades da Alemanha que ainda possuem uma muralha completa em torno da cidade.

Por esse motivo, o centro histórico medieval quando avistado de cima é particularmente interessante com a sua forma aparentemente circular, todo rodeado pelas muralhas e torres de vigia e com a igreja de S.Jorge a evidenciar-se ao centro. 

Só a imagem aérea da cidade é um irrecusável convite para a visitar, mas ao percorrer as suas ruas e avistar as fachadas dos seus edifícios tudo se torna ainda mais tentador.

A cidade possui diversos pontos de interesse e o mapa turístico apresentado abaixo salienta isso mesmo (ao clicar sobre o mesmo acede a um ficheiro em pdf que retirei do site oficial, quando realizei da visita, e que possui a legenda para os locais assinalados).

Um dos primeiros locais pelo qual passei foi o assinalado pelo numero 23, a Wintersches Haus. Uma casa de três andares, em enxaimel, construída em 1678 por Nikolaus Kobelt, Notário imperial. A porta de entrada artística é de 1697, e a figura em pedra numa das esquinas é deveras curiosa e original. A casa foi restaurada em 1975/76.

Um pouco mais à frente, em contrapartida, encontrei uma casa bastante degradada e a precisar urgentemente de uma reforma, mas sem dúvida foi uma excepção à regra.

A paragem obrigatória seguinte foi na Igreja de S. Salvador (22).

A igreja do mosteiro carmelita foi construída no primeiro quarto do século XV, e a consagração da igreja decorreu em 1422. Entre 1825 e 1829 o interior da igreja foi remodelado.
As origens da construção remontam a um milagre eucarístico em 1381. A capela  “Corporis Christi” tornou-se pequena demais para a afluência de peregrinos e o conselho da cidade decidiu construir um mosteiro. A comunidade monástica durou até a Reforma. A partir de 1562, a igreja foi usada pela comunidade protestante, e durante as Guerras Napoleónicas serviu como um hospital militar e armazém. Durante este período perderam-se peças valiosas do seu interior.
Como em 1825, a cidade já pertencia à Baviera foi fundada a paróquia católica e o antigo mosteiro foi convertido numa igreja.

Na igreja tem particular interesse o arco da entrada principal a oeste que é de cerca de 1420, com o tímpano ilustrando o Juízo Final. Atribui-se o ambiente à família de construtores Parler de Schwäbisch Gmünd.

No interior, o políptico (retábulo) do gótico tardio é a peça mais importante. Itens sagrados modernos e góticos tardios estão aqui em perfeita harmonia.

A visita a Nördlingen é interrompida aqui, mas continuará no próximo artigo, pois há bem mais para descobrir na cidade.

8 thoughts on “Nördlingen, de regresso aos tempos medievais

  1. Querida Turista:
    A cidade muralhada é um encanto, ainda por cima com a muralha íntegra, muito bem representada na vista aérea. E tanta coisa a descobrir.
    Apreciei muito a igreja de S. Salvador. A sua simplicidade exterior, a bela porta e o lindíssimo interior, com algumas peças de arte sacra mais moderna. Muito interessante esta mistura.
    Beijinho, continuamos amanhã a visita.

    • Bom dia!

      Antes de mais gostaria de dizer que não sei o que aconteceu, porque não faz qualquer sentido, mas o seu comentário foi parar à pasta de spam. Ainda bem que eu consultei a pasta com cuidado, o encontrei e recuperei. Assim, peço desculpa apesar de não ter tido qualquer responsabilidade no facto.

      A cidade toda envolta em muralhas é mesmo muito interessante pois estas dão-lhe um encanto especial. Tal é particularmente visível na fotografia aérea da cidade, por isso é que fiz questão de a colocar apesar de não ter sido eu a tirar essa fotografia.

      Sim, a Igreja de S. Salvador prima pela simplicidade exterior, podendo até quase passar despercebida perante um olhar mais desatento. O interior é um testemunho da sua história que resultou em perderem-se muitas das suas peças mais valiosas. Ainda bem que algumas persistiram ou foram recuperadas posteriormente. A mistura de peças de várias épocas ou períodos, algumas até modernas, não choca e até se torna harmoniosa.

      Beijinhos

    • Bom dia!
      Muito agradável te-la de novo por aqui. Sinta-se muito bem-vinda.
      A predominância de casas em enxaimel e um centro histórico medieval todo rodeado por muralhas, tornam esta cidade um magnífico destino para descobrir e visitar.

      Beijinhos

  2. Cara “Turista”

    Muito interessante a configuração da cidade histórica medieval, toda rodeada por muralhas, sobressaindo no centro, dada a sua altura, a Igreja de São Jorge.

    A imagem aérea da cidade, dá uma ideia panoramica do aspeto da cidade circular, talvez, por ter sido construída no local de uma cratera, provocada por um meteorito. Pela mesma imagem, é visível o alaranjado dos telhados e o verde à volta do que deverão ser as muralhas.

    A arquitetura em “Enxaimel”, é engraçada e muito diferente, da que se pode encontrar em Portugal.

    O alto relevo em pedra, por cima da entrada da Igreja, representando o Juízo Final, sobressai perante a simplicidade do exterior da Igreja. O seu interior, a decoração e peças, parecem ser originárias de várias épocas e estilos.

    Beijinho.

    • Boa tarde cara Executiva!

      A cidade com esta estrutura toda rodeada de muralhas confere-lhe mesmo um encanto especial e diferente do que se costuma encontrar.

      Tem toda a razão, esta arquitectura em enxaimel é mesmo diferente da que se costuma encontrar em Portugal.

      Sem dúvida alguma, o alto relevo em pedra no exterior da Igreja de S. Jorge sobressai face à simplicidade da igreja. No interior parece realmente haver uma grande mistura de estilos e épocas.

      Beijinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s