O Zentrum Paul Klee em Berna

No Zentrum Paul Klee, toma-se conhecimento da vida e obra de um dos fascinantes artistas do século XX, o suíço Paul Klee. nascido em Münchenbuchsee perto de Berna.

O edifício do Zentrum Paul Klee é denominado de „Monument im Fruchtland“ (Monumento na terra dos frutos), e foi projectado pelo conceituado arquitecto Renzo Piano, que criou um lugar no qual o encontro com a arte se torna uma realidade. A atmosfera é cativadora e inspiradora pois o exterior coaduna-se com a sua envolvência e está em simbiose com o interior. Não faltam aqui oportunidades para estar em contacto com a arte.

Mas o Zentrum Paul Klee, não fica propriamente nas imediações do centro histórico da capital suiça, Berna.

No Zentrum Paul Klee além dos espaços de exposição principais existe um Museu Infantil, o Creaviva, bastante interactivo, baseado na premissa “aprender fazendo”, dedicado aos mais novos e com vários workshops para eles, afinal pertencem aos grupos etários mais criativos que é possível encontrar.

Nos espaços de exposição era interdito tirar fotografias, pelo que as únicas que possuo do interior, resumem-se aos corredores de espaços comuns. Mas mesmo estas áreas estavam povoadas por arte que reflectia o tema da exposicao existente na altura: Paraíso Perdido, Olhar do Anjo.

Uma exposição dentro dos limites do leste do Éden. Uma exposição com instalações e eventos que transformaram todo o Zentrum – e os fundamentos em torno dele – em um parque temático dinâmico que colocaram os espaços interiores e exteriores com um ambiente emocionante e variado de intercâmbio recíproco.

“Uma pintura de Klee chamada  “Angelus Novus” mostra um anjo olhando como se  estivesse prestes a se afastar de algo que contempla fixamente. Seus olhos estão arregalados, sua boca aberta e suas asas espalhadas. Esta é a forma como se percebe o anjo da história. Seu rosto é para o passado. Onde nós percebemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe, que mantém no meio dos escombros e arremessa-lo na frente dos seus pés. O anjo gostaria de ficar, acordar os mortos, e refazer o que foi destruído. Mas uma tempestade sopra do Paraíso; ele foi apanhado em suas asas com tal violência que o anjo não pode mais fechá-las. Esta tempestade atira irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de escombros diante dele crescem para o céu. Esta tempestade é o que chamamos progresso. »(Walter Benjamin)

O pilar da exposição é a obra chave de Paul Klee – Angelus Novus, que serviu como alegoria visual para o «anjo da história» de Walter Benjamin. A exposição Paraíso Perdido significa seguir o olhar horrorizado do anjo enquanto ele olha para as calamidades do mundo a partir do ponto de vista do céu.

A complementar a obra principal (que veio propositadamente do Museu de Israel em Jerusalém para o efeito) estavam cerca de 150 obras de artistas do passado e do presente representando o outro lado do «Jardim Encantado de Klee»: os destroços do progresso, o mundo da destruição, os indivíduos irregularmente sinuosos, a vida despida – bem como as repetidas tentativas de visualizar o que o poeta Rilke chamava de «totgeglaubte Park» (o parque dado como morto) e colocar-se no paraíso perdido. O casal de artistas Gerda Steiner e Jörg Lenzlinger supervisionaram a saliencia de uma obra tipo planta que consistiu de folhas carregadas de caramanchões, frutas angustiadas e maçãs premiadas, com erupções arbóreas, luzes irregulares, crescimentos de cristal, chifres de veado e hortênsia, estrume de cavalo como tubérculos, cactos murchos com aspecto engraçado, sementes voadoras e jacintos dos bosques de Novilan. Este preenchimento do espaço, de uma amálgama misturada de uma instalação podia ser visto a proliferar ao longo da estrada do Museu do Zentrum Paul Klee, fora no jardim encantado de Paul Klee e até ao Paraíso Perdido…..

8 thoughts on “O Zentrum Paul Klee em Berna

  1. Querida Turista:
    Dá que pensar: Paraíso perdido, Olhar do Anjo. A arte pode ser muito metafórica, não acha? Gostei muito do texto, em que consegue dar a ideia do fio condutor dessa interessante exposição. As fotos dos espaços de circulação estão muito bem tiradas. Sabe que adoro coisas penduradas nos tectos. Dá sempre um aspecto cénico lindo!
    Beijinhos.

    • Muito bom dia!

      Tem toda a razão, o tema desta exposição faz-nos pensar. Eu acho mesmo que é no campo das artes, nas suas mais diversas formas de expressão, que mais se dá uso às metáforas e a outras figuras de estilo, pois as normas e as convenções podem tirar umas férias e as palavras de ordem com a criatividade e a imaginação, onde tudo é possível para transmitir as mensagens pretendidas.

      Beijinhos

  2. Cara “Turista”

    Adorei a forma entusiástica como narrou este seu magnífico artigo. As fotos estão excelentes. Parabéns!

    Não conhecia de todo a existência do “Zentrum Paul Klee” mas, pelas suas fotos, fiquei rendida à arquitectura moderna do edifício.

    Se hoje voltasse a visitar Berna, acredite que não prescindiria de visitar este “Zentrum Paul Klee”.

    Beijinho.

    • Boa noite cara Executiva!

      É sempre muito agradável quando leio um comentário referindo que um artigo meu aguçou a vontade de conhecer in loco o local que descrevo.

      Assim fico bastante contente se despertei a sua vontade de visitar o Zentrum Paul Klee.

      Beijinhos

  3. Olá.
    Conhecia o pintor Paul Klee (também poeta), um expressionista, contemporânio de Kandinsky, Matisse, Miró e Picasso, mas desconhecia que havia nascido em Berna, pensava fosse alemão como Kandinsky é polaco…Quando todos eram jovens, sobretudo estes dois europeus de leste, aquelas bandas não tinham a divisão política de agora… A escola era Paris onde todos conviviam!
    O Zentrum tem uma arquitectura que é um autêntico hino à época contemporânea, ultra-moderna como só vi em Shangai ou Singapura.
    Vou adorar conhecer…
    BEIJINHOS

    • Olá!

      Pois geralmente os artistas de uma época sobretudo quando são da mesma geração, têm interesses comuns e seus caminhos cruzam-se, tendem a conviver e de alguma forma a se auto-influenciarem uns pelos outros com base nas suas experiência comuns, mesmo mantendo cada um a sua individualidade.

      O Zentrum tem mesmo uma arquitectura bastante contemporânea, muito interessante e atraente.

      Beijinhos

  4. Oi Turista,

    Estive em Berna no mês passado. Que cidade encantadora. Vou ler com atenção e muita calma seu post todo (e todos os outros sobre a cidade). Pelo que dei uma lida inicial gostei demais. Você detalha os caminhos trilhados de uma maneira fantástica.
    Beijos
    Claudia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s