No museu da Lourinhã

Com o propósito de estar e almoçar com algumas pessoas na Lourinhã, esta cidade foi o destino escolhido para um dos dias das minhas ultimas férias em Portugal.

Como a chegada à Lourinha foi feita com alguma antecedência dado o horário marcado para o encontro, ocupei o tempo disponível, da forma mais agradável possível.

Na Lourinhã a minha primeira ideia foi a mais óbvia: visitar o Museu da cidade, algo que eu já tinha feito há alguns anos atrás e que sabia iria agradar ao meu três palmos. Mesmo não sendo um aficionado por dinossauros, os mesmos despertam alguma curiosidade e interesse ao meu três palmos, e o museu da Lourinhã orgulha-se de possuir “a maior colecção ibérica de fósseis de dinossauros do Jurássico Superior e uma das mais importantes a nível mundial“.

Museu da Lourinha - Exterior

No entanto desde já reconheço que neste domínio, deve faltar algum trabalho de divulgação e publicidade no que concerne ao teor do museu. Algumas pessoas que me acompanharam durante a visita a este museu, portuguesas, atentas e interessadas desconheciam de todo a existência de tal espólio paleontológico na cidade, nem que a mesma era conhecida como a capital  dos dinossauros. Claro que esse facto não pode ser considerado como uma amostra representativa da população, pois poderia ser um mero acaso. No entanto, reafirmo a minha opinião atendendo ao estado aparentemente desactualizado (com referencia a eventos de 2011) e pouco informativo do próprio site do museu, o que não contribui para a melhor divulgação do local.

O Museu da Lourinha apesar de granjear a sua reputação graças à paleontologia possui mais duas áreas temáticas a etnografia e a arqueologia.

O prospecto com o plano do Museu, facultado com a aquisição dos bilhetes de entrada, ajuda a esclarecer quais as áreas que possui e a forma como as mesmas são distribuídas pelo espaço do museu.

Museu da Lourinha - planta

Como dispunha de algum tempo, mas não de “todo o tempo do mundo”, não dediquei a atenção nem o tempo necessário a todas as áreas do museu para as visitar convenientemente. Antes concentrei o tempo disponível, naquelas que achei que poderiam interessar mais ao meu três palmos.

Assim, a primeira área, a dedicada à arqueologia foi a menos explorada do museu.

Museu da Lourinha - Arqueologia

A área seguinte é dedicada à etnografia agrícola. O meu três palmos achou imensa piada a algumas das máquinas expostas.

Museu da Lourinha - etnografia agrícola

A sala das profissões foi, previsivelmente, das que despertou mais interesse e curiosidade ao meu três palmos.

Museu da Lourinha - sala das profissoes

A sala das colectividades e tempos livres, contigua à anterior, também desperta interesse a quem a visita.

Museu da Lourinha - Sala da colectividades e tempos livres

A sala dedicada à arte sacra, é pequena, mas possui algumas peças de valor.

Museu da Lourinha - arte sacra

Saindo para o pátio interior, o percurso continua visitando a casa tradicional saloia.

Museu da Lourinha - casa tradicional saloia

E eis então que se chega à “jóia da coroa” do Museu, o espaço dedicado à paleontologia.

Museu da Lourinha - Paleontologia 1

Museu da Lourinha - Paleontologia 2

Claro que com um nome como “dinheirossauros”, numa altura em que nem a troca directa tinha sido inventada, não passa despercebido a quem visite a área de paleontologia do museu.

Museu da Lourinha - Paleontologia 3

Também achei deveras interessante a existência de uma espécie denominada de Lourinhanosauros, por ser oriunda especificamente da região.

Museu da Lourinha - Paleontologia 4

Os crocodilos não foram esquecidos e os seus dentes e garras conseguem continuar a assustar aqueles com uma imaginação mais fértil, mesmo quando estão resguardados dentro de vitrinas.

Museu da Lourinha - Paleontologia 5

A Paleobotânica é outro dos domínios igualmente não descurado no museu.

Museu da Lourinha - Paleontologia 6

Os invertebrados também possuem um espaço especial.

Museu da Lourinha - Paleontologia 7

Tudo muito bem exposto, bem documentado e com placares informativos elucidativos. Realmente o museu tem motivos para se orgulhar da exposição que possui.

Estando nas imediações, merece indiscutivelmente uma visita, caso possua interesse pelas temáticas abordadas.

Museu da Lourinha - dinossauro

4 thoughts on “No museu da Lourinhã

  1. Já foi um museu a que fomos propositadamente, quando estava no auge a paixão dos meus filhos pelos Dinossauros. Adoraram, claro está. Acho que agora estão a voltar-se para outras brincadeiras: dragões e outros animais (sempre variam um bocado), pokémons e legos. Acho que o quarto vai ficar menos monotemático….
    Beijos
    babette

    • Olá Babette!

      Nem me passou pela cabeça que estando relativamente perto, não tivessem visitado este museu da Lourinha, atendendo ao quanto o D. e R. gostam/gostavam de dinossauros.

      A diversidade temática é sempre salutar😉

      Beijinhos

    • Olá Claudia!

      Tem toda a razão. Museus com dinossauros agradam sempre às crianças, talvez pela curiosidade que despertam e o lado grandioso associado a essas espécies extintas à milhões de anos.

      Beijinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s