De regresso à outra margem de Praga

Ao atravessar a Ponte Mánes (Mánesúv Most), não perdi a oportunidade de apreciar pausadamente a Ponte Carlos, que tinha atravessado previamente.

Praga - Rio Vltava e a ponte Carlos

Esta é a nona ponte em todo o Rio Vltava. Foi construída no lugar de uma antiga balsa para o assentamento de pesca. A construção da ponte só começou em 1911. A ponte é feita de betão com arcos e quatro cavidades abobadadas. A ponte tem 16 m de largura e 186,3 m de comprimento. Foi aberta ao tráfego em 1914, mas a construção só foi concluída durante a Primeira Guerra Mundial, em 1916. Durante os anos 1960, a estrada foi pavimentada e passeio substituído por asfalto, o que provocou problemas diferentes pelo que foi removido durante uma reconstrução em 1990.

O passeio da Fama da Música Clássica Checa existente desde 2009, com estrelas de bronze que prestam um tributo a importantes músicos checos, encontra-se no pavimento em ambos os lados da ponte.

Para trás deixei a área do Castelo, e a Academia e Jardim Straka (Strakova Akademie a Zahrada)

Praga - Academia e Jardim Straka

É neste imponente edifício da Academia Straka que fica o assento do Governo da República Checa.

“Em 1710, o conde Jan Petr Straka, senhor de Nedabylice e Libčany, estipulou no seu testamento que, depois da morte da sua família, a propriedade devia ser usada para educar os jovens da nobreza insolvente. O último herdeiro da propriedade morreu em 1769, mas demorou mais de 100 anos para que o seu desejo testamental se tornasse realidade. Um terreno de 17 mil m² foi escolhido para a nova instituição, na margem esquerda do rio Vltava.

O dinheiro da Fundação Straka foi usado para construir um monumental palácio novo-barroco entre 1891 e 1896 de acordo com um projecto do arquitecto Václav Roštlapil. Ao construtor Quido Belsky foi confiada a construção. O extenso edifício de 3 andares, com 160 m de comprimento, também incluiu um jardim. A parte central avançada do edifício é coberta por uma cúpula, com o lado virado para o rio Vltava decorado por duas estátuas de pedra alegóricas do patriotismo e devoção por Josef Maudr. A rica decoração interior de estuque foi feita pelo escultor Celda Klouček e o pintor Emanuel Dítě também participou das decorações. Havia um lar de estudantes e uma escola primária com os departamentos checo e alemão. Foram seleccionados alunos pobres para aqui estudarem através de uma audição, outros pagavam pela estadia parcialmente do total, e mais tarde também os meninos de origem burguesa foram autorizados a estudar aqui. Durante o primeiro ano escolar, houve 26 alunos aqui, mais tarde, rondavam os 60. O equipamento era luxuoso, atendendo à época. Havia quartos, uma capela e salas de estudo no primeiro e segundo andares, e os funcionários viviam no piso térreo, onde também se localizavam os escritórios operacionais e estudos com material didáctico. Os alunos podiam usar uma sala de convívio  sala de jantar, uma piscina coberta, ginásios de verão e inverno, sala de esgrima, um hospital, uma sala de dança, a capela de St.  Václav, e mesmo uma prisão para aqueles que infringiram as regras da instituição. Foi o primeiro edifício em Praga a ser equipado com aquecimento central.

Em 1920, a nova constituição da República da Checoslováquia aboliu todos os títulos de nobreza, bem como quaisquer privilégios de ascendência, e assim a Academia Straka foi entregue aos estudantes universitários como uma Casa Académica. Houve uma extensa biblioteca aqui (com mais de 73.000 volumes em línguas checa e outras), e uma sala de leitura (mais de 1.600 revistas em 25 línguas diferentes), duas salas de dança, um grande restaurante e café, e foi a sede da Associação Central dos Estudantes da Checoslováquia e Detvan, a Associação de Estudantes da Eslováquia. Dispunham de uma sala de tratamento médico, muitos jornais foram aqui impressos, foram realizadas palestras e organizados encontros com personalidades proeminentes. A Casa Académica facultava aos estudantes descontos para todos os teatros de Praga, shows, cinemas, spas, feiras e exposições, bem como para livrarias estudantis. Houve nas imediacoes um arquivo-de todos os alunos, e um museu retratando a vida de estudante ao longo dos últimos 100 anos. No jardim, havia uma pista de atletismo, campo de ténis, ringue coberto e um campo de voleibol.

Na época da primeira República, as autoridades estaduais começaram gradualmente a ocupar este lugar, como o ministério de fornecimentos, o ministério da defesa nacional, e a partir de 1934 o escritório de estatística. Durante a ocupação nazi, o edifício foi tomado pelos nazis, o governo do protectorado teve a sua sede aqui, bem como a corte imperial a partir de 1942. Durante a ocupação, começou a ampla a adaptação do edifício, para atender as necessidades administrativas, de acordo com um projecto do arquitecto Ladislav Machoň. Em Maio de 1945, o edifício foi escolhido como sede do primeiro governo pós-guerra da Frente Nacional dos checos e os eslovacos, e mais tarde, de todos os subsequentes governos da República da Checoslováquia e após 1993 da República Checa.

Em 1997, uma placa memorial de mármore foi colocada novamente no edifício, representando uma parte da ultima vontade do conde Jan Petr Straka”. (texto traduzido e adaptado daqui)

Pela Ponte Mánes regressei de novo à outra margem, ao distrito designado de Josefov, onde se evidencia de imediato o Rudolfinum, sala de concertos e sede da Orquestra Filarmónica Checa desde 1946.

Praga - Rudolfinum

Foi construido entre 1876 e 1888 no estilo neo-renascentista e a cerimónia oficial de inauguração ocorreu a 7 de Fevereiro de 1885. Resultou de um trabalho conjunto de proeminentes arquitectos da altura, os arquitectos Josef Zítek (que construiu o Teatro Nacional) e Josef Schulz (que construiu o Museu Nacional).

A construção foi feita com fundos da então instituição bancária de poupança alemã denominada de Böhmische Sparkasse. Os seus representantes decidiram celebrar o 50 º aniversário do estabelecimento da mais antiga instituição financeira em Praga com a  construção de uma magnífica sede para as artes. Representantes do instituto pediram ao então príncipe herdeiro (arquiduque) Rudolf permissão para nomear o edifício de Rudolfinum.

A construção foi iniciada em 1876 e concluída em 1884, altura em que foi consagrada. (Poderão encontrar mais informações sobre a história deste edifício aqui)

8 thoughts on “De regresso à outra margem de Praga

  1. Querida Turista:
    Lindíssima a foto em que apanha a ponte Carlos e o rio. A história do edifício onde funciona o governo checo dá que pensar: desde a fundação até aos dias de hoje, tanto que modificou.
    Um beijinho.

    • Bom dia!

      Tem toda a razão. A história da Academia e Jardim Straka faz realmente pensar. Quando um edifício tem valor e lhe é reconhecida importância, mesmo quando os tempos mudam, é-lhe atribuído sempre um papel relevante na história, e é requisitado para diferentes fins, certamente cobiçado por muitos. O edifício da Academia Straka é um bom exemplo disso mesmo.
      Adorei a forma como a historia associada a este edifício começou, com a clara valorização e importância do conhecimento e da aprendizagem. Os bens materiais ao serviço de um bem maior.

      Beijinho

  2. Cara “Turista”!

    O artigo da “Turista”, narrado passo a passo, sobre o “assento do Governo da República Checa”, merece, da minha parte, que lhe apresente os meus parabéns. Considero uma mais valia para os meus conhecimentos. Obrigada!

    As fotos da Casa da Orquestra Filarmónica Checa, o Rudolfinum, estão excelentes! Permita-me que lhe diga : Considero um dos mais importantes pontos de referência, da margem da Cidade Velha do Vltava.

    Beijinho.

    • Bom dia cara Executiva!

      Não faltam edifícios e monumentos impressionantes e dignos de referencia, nas imediacoes de ambas as margens do Rio Vltava, dois dos quais, em margens opostas são referidos neste artigo.

      Para mim é importante saber um pouco mais acerca dos edifícios e monumentos que encontro e por isso procuro também descrever nos artigos que escrevo um pouco dessas descobertas que faço.

      Beijinho

  3. Oi Turista,

    Estava com saudade de visitar seu blog tão inspirador. Viajando fica difícil conseguir tempo para fazer tudo que se quer. rs

    Mas, aqui estou eu de volta e me deparo com Praga. Ah, Praga! Esta cidade me deixou encantada com sua beleza. É um museu a céu aberto. Para cada lado que se olhe, um suspiro!

    Belas lembranças guardo comigo.

    Bj

    Claudia

    • Olá Claudia!

      Presumo então que já tenha regressado das suas férias de Carnaval na Jamaica. Espero que tenham sido umas férias maravilhosas.
      Praga é mesmo uma das capitais europeias mais encantadoras, e a fasquia é levada, porque a Europa tem muitas capitais maravilhosas e fantásticas.

      Beijinhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s