Bled…

Eis chegado o dia do fim das férias, mas em vez da viagem se resumir a percorrer os cerca de 415 km entre Ljubljana e Munique, o mais depressa possível para reencontrar o lar, fez-se um desejável e esperado pequeno desvio no percurso, com um objectivo muito definido, conhecer Bled. 

Bled - réplica

Reconheço que apesar de ter sido bastante agradável desfrutar de uma paisagem tão idílica o tempo despendido foi manifestamente insuficiente, mas isso é o que normalmente acontece quando se gosta dos lugares que se visita e não se quer sair de lá.

Viagem de regresso entre Ljubljana Bled e Munique

Bled, é uma cidade alpina no norte da Eslovénia, e predominantemente uma estância turística com o seu lago e ilha.

“Com imensa beleza natural, Bled, juntamente com os seus arredores, está entre as mais belas estâncias alpinas, conhecida pelo suave, clima curativo e lago com agua termal. A beleza das montanhas reflectidas no lago, o sol, a serenidade e o ar fresco despertam sentimentos agradáveis ​​no número de visitantes durante todo o ano, garantindo uma base ideal, uma pausa relaxante ou umas férias activas. Bled atrai empresários, artistas, atletas, exploradores, entusiastas do desporto, velhos e jovens, de todo o mundo, encantando-os a voltar de novo e de novo.” (descrição retirada deste site da região e traduzida)

Bled - lago e ilha

O lago foi formado após a recessão do glaciar Bohinj. Possui até 2.120 m de comprimento e até 1380 m de largura, e a sua profundidade máxima é de 30,6 m. É de origem tectónica. Depois da última Idade do Gelo, o glaciar Bohinj aprofundou a cavidade tectónica natural, e deu origem à sua forma actual. A bacia foi cheia de  água, resultado do gelo que derretia. O lago não tem grandes afluentes naturais sendo alimentado apenas por poucas nascentes.

A ilha de Bled é a única verdadeira ilha da Eslovénia. Nesta encontra-se a Igreja da Assumpção, mas o meu tempo disponível em Bled não me permitiu visita-la. É possível chegar à ilha, através de um barco especial com um tecto, chamado Pletna. Este barco, conduzido por um remador com dois remos, é conhecido apenas em Bled. Também é possível alugar barcos mais pequenos à hora e remar até à ilha por esse meio.

O Castelo de Bled, é um castelo medieval construído num precipício sobre a cidade de Bled e com vista sobre o lago. Segundo fontes escritas, é o castelo mais antigo da Eslovénia.

Bled - Castelo

“A igreja paroquial de Bled, é uma igreja neo-gótica consagrada a S. Martinho. Foi construída em 1905 no local de uma igreja gótica prévia que datava do século XV, que por sua vez foi erguida no local da primeira capela que foi construída nesse mesmo local antes do ano 1000. A nova igreja foi construída segundo os planos do Prof. Friedrich von Schmidt (arquitecto da câmara municipal de Viena) que foram depois alterados pelo arquitecto Josip Vancaš.

A maioria das esculturas no interior da igreja foram feitas pelo especialista de restauro Ivan Vurnik de Radovljica usando o melhor mármore de Carrara”. (texto retirado e traduzido daqui)

Bled - Igreja paroquial

Termino este artigo, e a viagem à Eslovénia, com uma imagem panorâmica de Bled.

Bled - panoramica

Anúncios

O Castelo de Ljubljana…

Localizado numa posição sobranceira à cidade, o Castelo de Ljubljana pode ser apreciado à distância, enquanto se passeia pelo centro histórico, mas tal é manifestamente insuficiente.

Tinha que o explorar de perto e do mesmo poder apreciar as vistas panorâmicas privilegiadas que proporciona.

Ljubljana - Planta do Castelo

Como a legenda do complexo do castelo sugere, muitos dos locais foram convertidos para a realização de eventos de naturezas diversas de índole particular ou pública.

O extenso pátio interior, a mim convidou-me a uma pausa num dia de sol, mas não por muito tempo pois o havia bastante para explorar.

Ljubljana - Castelo da cidade - primeiro impacto

A história do castelo tem as suas reminiscências no final da Idade do Bronze e Idade do Ferro, com os primeiros assentamentos na bacia de Ljubljana. Tal perdurou na época romana, na qual a cidade era denominada de Emona. Na Idade Média continua a ser mencionada Ljubljana e no século XIV torna-se propriedade herdade dos Habsburgos, que no século XV, fortificam os muros do castelo, para se protegerem dos ataques turcos. Em meados do século XVII o castelo perdeu a sua função de uma fortaleza e residência e foi usado como armazém militar. Durante as Províncias Ilírias de Napoleão (1809-1813) o castelo foi usado como quartel e hospital militar. Do século XIX até ao fim da segunda Guerra Mundial foi usado como penitenciária.

Quem tiver interesse em conhecer a história associada a este castelo, poderá encontra-la aqui.

A Capela de São Jorge, foi um dos locais que visitei no castelo, que mais gostei.

É uma das partes mais antigas do Castelo que persiste. Por ordem do documento de Cesar de 1489 foi dedicada a São Jorge, o santo padroeiro de Ljubljana. O sino da capela foi um presente do rei Frederico III de Habsburgo. A Capela originalmente de estilo gótico, foi renovada em estilo barroco e em 1747 decorada com pinturas de 60 brasão de armas de todos os imperadores. Entre esses nomes encontram-se Herman e Ulrich de Celje, Henrik do condado de Gorizia, Stephan Frankopan e Krištof Rauber o bispo de Ljubljana. No tecto, também há frescos do século 15th com brasões de Carniola, Istria, e a marka Slovenska e de cinco imperadores austríacos, que foram renovados em 1992. Lidija Avbelj foi encarregada das obras de restauro. 

Ljubljana - Castelo da cidade - Capela de Sao Jorge

Mas indiscutivelmente é da Torre de Observação que se tem uma vista panorâmica sobre a cidade de um ponto mais alto.

Ljubljana - Castelo da cidade - Torre de Observacao

Ljubljana - Castelo da cidade - Torre de Observacao - vista panoramica

Com o Castelo de Ljubljana, e a vista panorâmica sobre a cidade, termino a sequência de artigos sobre esta encantadora cidade.

A Biblioteca Nacional e Universitária

Expandir e enriquecer o conhecimento é algo que nunca é demais e que ninguém nos pode retirar, porque é pessoal e intransmissível.

Depois da referencia ao edifício principal da Universidade de Ljubljana, um “templo” por excelência para expandir e aprofundar os conhecimentos formais, eis que refiro  hoje um outro edifício que é uma fonte privilegiada no que toca à busca pelo conhecimento, a Biblioteca nacional e universitária.

Localizada na Turjaška ulica 1, possui umas fachadas bastante originais, às quais não fiquei indiferente.

“A Biblioteca Nacional e Universitária, cujos arquivos contêm, entre outras coisas, uma rica colecção de manuscritos medievais, incunábulos e gravuras da Renascença, foi construído entre 1936 e 1941 segundo projectos de Jože Plečnik É considerado o mais importante trabalho do arquitecto na Eslovénia. Ergue-se no lugar da antiga corte Ducal (Knežji dvorec), um palácio barroco do século XVII que foi destruído no terramoto de 1895.

Ljubljana - Biblioteca Nacional e Universitária

O exterior do edifício reflecte influências italianas. A sua fachada característica, combinando tijolos e blocos de pedra com acabamentos variáveis, foi baseado no Palacio Zuccari (Palazzo Zuccari) em Roma. Cada uma das duas pegas da porta de entrada principal é decorada com uma cabeça de Pégaso, um cavalo alado que simbolicamente orienta os visitantes para o domínio do conhecimento. Do vestíbulo, uma porta leva à famosa escadaria monumental central, com 32 pilares de mármore preto Podpeč e mais adiante para o salão grande de leitura da biblioteca. Os detalhes mais marcantes da sala de leitura são lustres Plecnik e um par de paredes de vidro, permitindo que a luz alcance as mesas de leitura de madeira e os livros dos dois lados.

A entrada lateral da biblioteca é encimada por uma estátua de bronze de Moisés pelo escultor esloveno Lojze Dolinar. Para indicar o curso das muralhas romanas e medievais, que corre ao longo do edifício da Biblioteca e continua ao lado do edifício Matica Glasbena do outro lado da rua, Plečnik erigiu uma linha de monumentos a famosos compositores eslavos e eslovenos.” (texto traduzido e adaptado daqui)

Ljubljana - Matica Glasbena

“De acordo com uma inscrição encontrada próximo ao portão leste da cidade de Emona, no local da actual praça Trg francoske revolucije, as muralhas romanas foram construídas entre XIV e XV d.C. As paredes de formato rectangular em torno do centro da cidade mediam 2,4 metros de largura e de 6 a 8 metros de altura. Elas incluíram pelo menos 26 torres e quatro portas principais. As torres foram erguidas equidistantes ao longo do comprimento das paredes e próximas às portas da cidade laterais como extensões das estradas de Emona. Por todos os lados, excepto o leste, que foi naturalmente protegido por uma inclinação descendente em direcção ao rio Ljubljanica, a cidade foi também protegida por um fosso duplo.

O muro de concha foi construído a partir de blocos de pedra esculpidos ligados com argamassa e preenchidos com um conglomerado de seixos de rio, pequenas pedras, areia e cal. A estrutura da parede era tão sólida e robusta, que certas partes da parede sobreviveram 2.000 anos. A estrutura interna da parede é visível no subúrbio Mirje,  localização da parte dos muros que estavam a oeste do portão principal sul de Emona. Por motivos de segurança algumas das portas laterais foram emparedadas já no tempo dos romanos para repelir os ataques de tribos bárbaras. Uma das portas muradas sobreviventes pode ser vista na parte ocidental das paredes Mirje.

Na década de 1930, o complexo da muralha da cidade em Mirje foi restaurado segundo um projecto do arquitecto Jože Plečnik. As suas adições às paredes romanas sobreviventes incluem uma pirâmide de pedra, extensões por cima das paredes, as portas do complexo da parede, uma abóbada em arco coberto de pedra que remanesceu de edifícios romanos próximos  e um parque dentro das paredes. Também a colunata ao lado do portão principal sul é de origem não-romana. Os muros foram renovados em 1990.” (texto traduzido e adaptado daqui)

Ljubljana - muros da cidade romana em Mirje

Outras das igrejas de Ljubljana

Ljubljana, como já referi em alguns dos artigos anteriores possui diversas igrejas.

Este artigo pretende apenas referir mais três dessas igrejas.

A primeira é a Igreja de St. Jacob (Cerkev sv. Jakoba) localizada na Gornji trg 18.

“A igreja foi construída pelos jesuítas entre 1613 e 1615 num local previamente ocupado por uma igreja gótica situada perto do mosteiro jesuíta que abrigou o primeiro colégio de Ljubljana de teologia, filosofia, medicina e música. A igreja Salão Jesuita do início do barroco foi totalmente reconstruída em torno de 1701. O seu novo altar e as estátuas foram esculpidas entre 1728 e 1732 por Francesco Robba, que morava nas proximidades da igreja. Após o terramoto de 1895, os dois campanários da Igreja tiveram que ser demolidos e foi construído um único campanário (o mais alto em Ljubljana) em seu lugar.

A capela octogonal de São Francisco Xavier (Kapela sv. Franciska Ksaverija), inspirada em modelos venezianos e extravagantemente decorada com estuque ornamentado, foi adicionada à igreja entre 1667 e 1670. A capela possui um altar famoso construído entre 1709  e 1720, que é adornado com estátuas de arcanjos obra de Paolo Groppelli  e estátuas da Europa e da África, obras de Jacopo Contieri. Os altares de pedra nas capelas laterais da igreja foram esculpidos pelos escultores venezianos Angelo Putti, Jacopo Contieri, Francesco Rottman e Francesco Robba. A pintura do altar de maior destaque é a morte de São José (Smrt sv. Jozefa) por Franco Karl Remb.

Ljubljana - Igreja de S Jacob

Quando o edifício do colégio jesuíta incendiou-se, foi construída uma praça em seu lugar. Entre 1681 e 1682, uma coluna de Santa Maria (Marijin Steber), encimada por uma estátua pelo artista de Salzburgo Lobo Weisskirchner, foi erguida no meio da praça como expressão de agradecimento pelas terras eslovenas terem sido poupadas do domínio turco. A coluna foi transferida para a sua actual localização por Jože Plečnik, que redesenhou a praça em 1927.

Ljubljana - Coluna de Sta Maria

Plečnik rodeou a praça por uma fileira de bolas de pedra e acrescentou a vegetação na sua parte superior. Para conectar as duas secções separadas da rua Rožna ulica, foi erguido mais tarde um edifício arqueando através da estrada que corre ao longo do lado da praça, projectado pelo arquitecto Boris Kobe.” (texto traduzido e adaptado daqui)

A segunda é a Igreja Križanke, Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia, localizada na  Trg francoske revolucije 2.

“No século XIII, a Ordem dos Cavaleiros Teutónicos, chamados de cavaleiros da Cruz, estabeleceram-se na extremidade superior da praça Novi trg e construíram aí uma igreja. O único item que sobreviveu da igreja é o famoso relevo da Madonna de Krakovo do portal principal da igreja. O relevo, criado entre 1265 e 1270, é mantido agora na Galeria Nacional da Eslovénia.

actual Igreja Križanke  foi construída entre 1714 e 1715 por Domenico Rossi, um dos principais arquitectos venezianos da época. Isso indica que a única igreja da cruz localizada em território esloveno foi de grande importância não só para os Cavaleiros da Cruz, mas também para a corte imperial em Viena, que doou mobiliário interior.

Ljubljana - Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia

Os altares laterais foram pintados pelos pintores da corte Martin Altomonte e Anton Schoonjans. A pintura do altar principal, obra de Johann Michael Rottmayr que ficou queimada no século XIX, foi substituída por uma pintura do pintor vienense Hans Canon em 1859.” (texto traduzido e adaptado daqui)

A terceira e ultima igreja referida neste artigo, é a Igreja de S. João Baptista (Trnovska cerkev), localizada na Kolezijska ulica 1.

“A igreja original do distrito de Trnovo foi construída pelo arquitecto Candido Zulliani em 1753. Os únicos itens sobreviventes dessa igreja são algumas pinturas, incluindo as de São João Baptista e Santo António por Valentin Metzinger.

A actual igreja, que foi construída entre 1854 e 1857, assumiu a sua aparência neo-românica após o terramoto de 1895, quando foi reconstruída pelo arquiteto Raimund Jeblinger. Os frescos do presbitério foram pintados por Matej Sternen e as pinturas do altar por Pavel Künl. Algum do mobiliário, incluindo a lâmpada da luz eterna, foram projectados pelo arquiteto Jože Plečnik.” (texto traduzido e adaptado daqui)

Ljubljana - Igreja de S Joao Baptista

Centromerkur? Já não.

Em Ljubljana não faltam lojas cujas montras atraem a atenção dos visitantes, e convidam a entrar.

Mas é incontornável quando o tema é “shopping”,  referir a primeira galeria comercial da cidade, o Centromerkur, na Casa Urbac (Urbančeva HISA), situada na Prešernov trg 5a.

“Foi encomendado pelo comerciante local, Feliks Urbanc em 1902 e concluído em 1903. O edifício foi projectado pelo arquitecto sediado em Graz, Friedrich Sigismundt, e modelado segundo as galerias comerciais contemporâneas de Graz, Viena, Paris e Budapeste.

A entrada do edifício é reforçada por uma cobertura semicircular em forma de um plano aberto, como um cluster de pétala feita de vidro e ferro forjado. No topo do edifício, acima da fachada frontal, há uma estátua neo-barroca de Mercúrio, o deus do comércio e protector dos comerciantes.

Ljubljana - Centromerkur

O interior da galeria comercial dispõe de uma escada de madeira interessante ornamentada  suportada por duas fileiras de colunas. Entre as colunas há uma estátua feminina que simboliza o artesanato. A extremidade do corrimão está decorada com uma cabeça fêmea de madeira em cada lado. Tudo na decoração interior, desde os móveis, decorados com motivos de plantas, até às vitrinas de vidro e o design dos candeeiros, reflecte influências da Art Nouveau belga e francesa. Isso torna o edifício do Centromerkur uma raridade entre os monumentos Art Nouveau de Ljubljana, pois a sua maioria foram inspirados por modelos vienenses de Secessão.” (extracto de texto traduzido, adaptado e retirado daqui)

Depois de alguns anos de negligência, decadência e de uma escolha pobre ao nível da oferta no seu interior, passou por uma profunda renovação e reabriu as suas portas com um outro espírito, e um novo nome: Galerija Emporium.

“Agora como Galerija Emporium, a grande loja de moda possui conceituadas marcas de moda internacionais. O Galerija Emporium dispõe de cinco andares, que oferecem  vestuário, calçado e acessórios de moda de marcas de renome internacional, como Alexander McQueen, Versace, Escada, Kenzo, Etro, Roberto Cavalli, Ermenegildo Zegna, Polo Ralph Lauren, Donna Karan e Calvin Klein. Os aficionados de moda jovem dispõem de marcas como Salsa Jeans, Diesel, Supertrash, Drykorn e Desigual. O segundo andar é inteiramente dedicado a mostrar a moda de designers eslovenos.” (extracto de texto traduzido, adaptado e retirado daqui)

Merecida pausa para almoço…

A visita exploratória a Ljubljana exigia uma bastante adiada pausa para almoço.

O Restaurante que foi escolhido para a referida pausa, transmite um aspecto recatado e acolhedor, chama-se Gostilna AS e localiza-se na Čopova ulica 5a.

O interior é agradável, os empregados muito simpáticos, prestáveis e solícitos.

A comida é deliciosa. No âmbito das entradas, das quais não possuo qualquer registo fotográfico, destaco o paté de azeitona preta que estava absolutamente divinal.

Como prato principal desfrutei desfrutei de peixe maravilhosamente apresentado. O peixe foi servido entrançado, o que me surpreendeu imenso. O seu sabor a fresco genuíno agradou-me imenso. Afinal, o que é bom não precisa de ser “dissimulado” por muitos ingredientes e especiarias para se tornar apelativo ao paladar: Filete de robalo grelhado com funcho e herbas

As sobremesas onde o chocolate foi predominante, também tinham óptimo aspecto mas foi o seu sabor o que realmente me agradou mais: Bolo de chocolate e Soufflé de chocolate com creme de baunilha e morangos, respectivamente.

Ljubljana - pausa para almoco

Um restaurante que absolutamente recomendo a quem visitar Ljubljana…

Aqui podem descobrir um pouco mais acerca dos pratos que compõem a rica ementa.

A igreja ortodoxa de Ljubljana

Como já referido anteriormente, Ljubljana possui uma grande diversidade de igrejas, espalhadas pela cidade.

É expectável que nem todas sejam católicas romanas. No centro da cidade encontrei a Igreja dos Santos Cirilo e Metódio. Trata-se da única igreja da Igreja Ortodoxa Sérvia, na cidade. Ela fica entre a rua Tivoli (Tivolska cesta) e a rua Prešeren (Presernova cesta), a norte do Museu de Arte Moderna e a oeste da Galeria Nacional da Eslovénia.

A igreja tem cinco cúpulas com cruzes de ouro no seu topo. Ela foi construída em 1940 segundo os planos do arquitecto Momir Korunović. O seu interior é bastante colorido, pois as paredes estão totalmente cobertas por frescos pintados por Dragomir Jašović e Mišo Mladenović. O iconóstase é obra do pintor Mirko Šubic, que o criou em 1940.
A fundação do terreno foi abençoada pelo Patriarca Varnava da Sérvia em 1932. A igreja foi benzida a 23 de Outubro de 2005 pelo Patriarca Pavle da Sérvia com a presença do presidente Janez Drnovšek e do Metropolita católico romano de Ljubljana Alojz Uran. Esta é também a data de abertura oficial da igreja. Na bênção colocaram as relíquias de São Atanásio, que foram trazidos do Vaticano por Tomáš Spidlík e que simbolizou a integração de uma união de cristãos (ortodoxos e católicos). O jogador de basquetebol Radoslav Nesterovic tornou-se padrinho da igreja. Em 2009, a igreja recebeu a visita do presidente sérvio Boris Tadić. Desde 10 de Abril de 2010, a igreja tem um status de um monumento cultural de importância local.

Ljubljana - Igreja dos Santos Cirilo e Metódio