No aeroporto de Bruxelas…

Nas ultimas férias em Portugal, ao contrário do que acontece habitualmente, fizemos escala no aeroporto de Bruxelas, tanto na viagem de ida como na de regresso.

O aeroporto tem um aspecto cuidado, com um longo corredor envidraçado, o que o torna bastante iluminado em virtude da iluminação natural. O mapa do aeroporto podem encontrar aqui.

À chegada ao longo corredor do aeroporto fiquei imediatamente surpreendida, pois poder-se-ia tratar de um qualquer aeroporto alemão  Afinal nesse mesmo corredor central de acesso às portas de embarque, entre as passadeiras rolantes encontravam-se em exposição automóveis desportivos, de marcas alemãs, respectivamente um Audi, um BMW e um Mercedes.

Confesso que não fotografei os três, mas o BMW Z4 cor de tijolo, esse ficou devidamente registado…

Aeroporto de Bruxelas - BMW Z4

Em contrapartida, continuando no corredor, mas em direcção contrária, não para as portas de embarque mas para a área comercial,  encontro um outro automóvel exposto. Este de uma conceituada marca japonesa, literalmente com um corte longitudinal. Tratava-se do híbrido Toyota Auris Touring Sports.

Aeroporto de Bruxelas - Toyota Auris Touring Sports

Em frente a este automóvel exposto, certamente o restaurante de marisco mais gourmet do aeroporto, o Black Pearls, junto às escadas rolantes pelas quais se acede aos Lounges.

Aeroporto de Bruxelas - Restaurant Black Pearls

Na área comercial, nao faltam boutiques, espaços de alimentacao, ou as habituais lojas  típicas de aeroporto (com  perfumes e cosméticos, alguns brinquedos, merchandising do país e/ou região, bebidas e delicatessen). Mas a predominância são indiscutivelmente as chocolaterias, afinal a Bélgica é famosa pelo seu chocolate, e nestas não faltam marcas como a Neuhaus, a Godiva, Corné Port-RoyalGuylian, entre outras. 

Aeroporto de Bruxelas - gourmet e chocolates

No aeroporto despertou a  minha atenção, numa das extremidades do corredor, perto de uma porta de embarque, a escultura alaranjada de um “Ovo de Colombo”. Confesso que sem ler a inscrição primeiro pensei que fosse algo alusivo à Páscoa cristã, apesar da mesma já ter passado (a ortodoxa, por acaso foi apenas a 5 de Maio).

Aeroporto de Bruxelas - escultura de ovo de colombo

No computo geral fiquei bem impressionada com o aeroporto de Bruxelas, mas devo reconhecer “que nem tudo são rosas”.

Por exemplo, enquanto esperava pelo voo de ligação, vi um homem das limpezas com o seu carrinho, a esvaziar os baldes de separação do lixo. Apesar de existirem 3 ele esvaziou-os todos para um saco XL comum. Não podia acreditar, talvez fosse ilusão óptica minha, mas ao circular posteriormente perto do carrinho confirmei que o mesmo não possuía qualquer  outros separados no seu interior. Inacreditável…

Apesar de não ser da responsabilidade do aeroporto em si, a viagem de regresso a casa será sempre associada à greve dos funcionários da Swissport. Tal fez com que chegasse a Munique sem malas e que as mesmas só me tivessem sido entregues em casa dois dias depois.

Ainda bem que tal aconteceu na viagem de regresso a casa, ou seja, no fim das férias, pois o transtorno teria sido bem maior se tivesse sido no início das mesmas, como certamente terá acontecido com muitas pessoas.

O Visionarium…

O Visionarium é um local óptimo, para a inerente curiosidade das crianças ser despertada para os caminhos da ciência e do conhecimento, afinal trata-se de um museu de ciência interactivo. Integra a Rede Nacional dos Centros de Ciencia Viva existentes em Portugal.

Situa-se em Santa Maria da Feira, numa das extremidades do  extenso parque, pelo qual se pode aceder na outra extremidade, ao Europarque – Centro Cultural e de Congressos.

Visionarium - parque visto do patio exterior do edifício

Nesta ultima estadia em Portugal, num lindo de sol mas ventoso, visitei o Visionarium, na melhor companhia e permiti que o meu três palmos o descobrisse, ao seu ritmo…

Visionarium - exterior do edifício

Antes mesmo de entrar no edifício  perto da porta de acesso, é possível saber qual o Horário de Funcionamento e o Preçário, gravados numa placa transparente.

Visionarium - Horario de Funcionamento e  Precario

Ao entrar no edifício o que primeiro desperta a atenção é o seu átrio circular, predominantemente envidraçado, com a sua cúpula da qual sobressai um enorme e sugestivo lustre.

Visionarium - atrio interior

Depois de adquiridos os bilhetes (e de um porta-haves de uma abelha denominada de bit, porque é alusiva ao tópico informação), começou a aventura da descoberta no Visionarium.

O museu abarca três andares, com áreas subordinadas a diferentes domínios. O esquema seguinte, retirado do site oficial, da visita virtual, ilustra a organização do espaço.

Visionarium - planta do museu

Um teclado musical capaz de reproduzir o som de vários instrumentos dá as boas vindas ao visitante, que o quer logo experimentar.

Visionarium - teclado musical

A primeira área é subordinada ao tema Terra e começa com uma árvore alusiva a Darwin.

Visionarium - arvore de Darwin

Num país dos primeiros descobridores de novos mundos, a exploração da terra por mar, na sua estreita relação com a ciência através, nomeadamente, dos instrumentos de navegação não podia ser descurada.

Visionarium - do mar à ciencia

Visionarium - entre a agua e o ar

Como não havia na altura nenhuma exposição temporária, depois de explorar a terra, a visita continuou no segundo andar.

Ao cimo das escadas rolantes, já no segundo andar o tema Matéria é aquele que acolhe o visitante.

Visionarium - a matéria

Visionarium - tabela periódica

Visionarium - luz

Depois do Tema Matéria, o segundo andar ainda reserva um outro tema, pois é chegada a altura de explorar a odisseia da Vida.

Visionarium - a vida

Depois da vida, subindo ao terceiro andar, é altura de descobrir e explorar o Universo.

Visionarium - o universo

Alem da rica e abrangente exposição, o museu possui um interessante programa de workshops, oficinas e mini-oficinas e aos fins-de-semana o adoro experimentar, onde por exemplo o meu três palmos aprendeu a fazer gulodices saudáveis (gomas e chupa-chupas).

O Visionarium é igualmente um óptimo local para se realizarem interessantes e didácticas festas de aniversário para os mais novos.

Antes de terminar este artigo, convém esclarecer que as imagens ilustrativas de cada uma das áreas temáticas, não são minimamente exaustivas do quanto se pode encontrar neste museu, que é uma odisseia do conhecimento.

Explore um pouco mais pessoalmente, o que o Visionarium tem para oferecer, talvez já no dia Mundial da Criança,  quando este tem um programa especial (1 e 2 de Junho) preparado para surpreender e agradar a miúdos e graúdos.

Mosteiro da Batalha

Depois de acordar na Batalha e de um pequeno-almoço relaxado, não poderia de forma alguma perder a oportunidade de revisitar o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, mais conhecido por Mosteiro da Batalha e principal ex-libris da cidade.

Este Mosteiro está inscrito desde 1983 na lista Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, sendo uma das 14 propriedades portuguesas que integram esta lista mundial. 

Batalha - Mosteiro da Batalha exterior

Dois placares metálicos no interior da igreja do mosteiro, informam de imediato acerca do horário de abertura, mapa do complexo do edifício definindo as áreas de visita gratuita e paga, bem como fases da sua construção. Paralelamente é fornecido um pequeno resumo histórico que inclui as motivações ligadas à edificação de tão relevante monumento nacional.

Batalha - Mosteiro da Batalha - mapa e informacoes

„O Mosteiro foi fundado por D. João I (1385-1433), em 1386, em agradecimento à Virgem pela vitória na Batalha de Aljubarrota (1385). Atribuído à ordem Dominicana, assumiu-se como símbolo da independência portuguesa legitimando a dinastia de Avis, finda a crise de sucessão ao trono desencadeada pela morte do rei D. Fernando (1383) e pela integração de Portugal nos domínios de Castela. O projecto, de dimensão pouco habitual na arquitectura portuguesa medieval, e de Afonso Domingues (1386-1402). Após a sua morte, sucederam-lhe Huguet (1402-1438) e Martim Vasques (1438-1448).“

Depois de passar pela porta principal de acesso à igreja do Mosteiro, uma das primeiras paragens é no túmulo do arquitecto Mateus Fernandes que se encontra de imediato no chão ao início da nave central.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Tumulo de Mateus Fernandes

A visita à igreja foi bastante constrangida, pois aquando da minha visita à mesma decorria  a celebração de uma missa de comunhão de membros da comunidade, pelo que se exigia respeito, silencio e repouso. Ainda assim ainda consegui apreciar um pouco do seu impressionante interior.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Igreja durante a celebracao da comunhao

À entrada do lado direito, a ladear a entrada para a capela do fundador encontram-se outros dois túmulos dignos de referencia.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Tumulo de Martim Goncalves de Macada

Batalha - Mosteiro da Batalha - Tumulo de Diogo Goncalves TravassosA capela do Fundador encontrava-se fechada e só foi possível visita-la após o termino da missa.

„Construída no segundo quartel do século XV para panteão de D. João I e da Dinastia de Avis, foi projectada pelo arquitecto Huguet. A cobertura piramidal original ruiu com o terramoto de 1755.“

Batalha - Mosteiro da Batalha - Capela do Fundador

À volta do túmulo conjugal, encastrados na parede, do lado sul encontram-se os túmulos dos seus filhos.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Capela do Fundador - tumulos dos filhos de D Joao I

Na parede do lado poente encontram-se os túmulos dos reis D. Afonso V e D. João II, e do filho deste, o infante D. Afonso.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Capela do Fundador - tumulos lado poente

Também depois de terminada a missa pude explorar as capelas colaterais à capela Mor.

Batalha - Mosteiro da Batalha - capelas colaterais à capela Mor da Igreja

Bem como ver de perto a cruz e os vitrais da Capela Mor.

Batalha - Mosteiro da Batalha - a igreja a partir da capela Mor

Como visitei o Mosteiro a um domingo, fui surpreendida quando quis adquirir os bilhetes para visitar as áreas do mosteiro cujo acesso é pago, pois os mesmos foram gratuitos.

Já que a visita às áreas pagas do mosteiro foi feita enquanto ainda decorria a missa, o acesso às mesma foi feito por uma porta lateral exterior à igreja.

Deparei-me de imediato pelo Claustro Real com um jardim central já bastante verdejante.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Claustro Real

Fonte do Claustro Real ou “Lavatório dos frades”.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Claustro Real - Fonte

Perto desta fonte encontra-se o acesso ao antigo refeitório, actual Museu de Oferendas ao Soldado Desconhecido.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Museu de Oferendas ao Soldado Desconhecido

Placares elucidativos, enunciando algumas das personalidades mais consagradas e emblemáticas a nível militar.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Museu de Oferendas ao Soldado Desconhecido - placares

Diversas condecorações entre as quais algumas alemãs.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Museu de Oferendas ao Soldado Desconhecido - insignias

Entre as arcadas que rodeiam o jardim do Claustro real encontra-se a exposição Jardins de Pedra,  obra de Mário Lopes.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Exposicao Jardins de Pedra

A nascente do Claustro Real encontra-se a Sala do Capítulo.

„Concebida por Afonso Domingues, primeiro arquitecto do Mosteiro da batalha, foi concluída por Huguet, entre 1402 e 1438. A construção de uma abobada desta dimensão sem suporte central constituiu um impressionante desafio técnico. A arte requintada de Huguet – representativa do gótico flamejante – testemunha a sua origem catalã  O vitral é datado de 1514 e constitui um grande tríptico dedicado à paixão de Cristo.“

Batalha - Mosteiro da Batalha - Sala do capítulo

Saindo da área do Claustro real, visitei em seguida o Claustro de D. Afonso V.

„Construído durante o reinado de D Afonso V (r. 1438-1481), período em que o arquitecto Fernão de Évora dirigiu as obras do mosteiro (1448-1477). A sua linguagem simples representativa do gótico austero do sul mediterrânico, revela também uma nova vivência da fé cristã.“

Batalha - Mosteiro da Batalha - Claustro de D Afonso V

No corredor do primeiro andar que rodeia este Claustro, encontra-se exposta a antiga máquina do relógio da torre.

Batalha - Mosteiro da Batalha - maquina do relogio da Torre

Alguns pormenores que se podem avistar dos corredores exteriores deste claustro.

Batalha - Mosteiro da Batalha - pormenores avistados do Claustro de D Afonso V

Com acesso pelo exterior do Mosteiro, acede-se lateralmente às Capelas Imperfeitas.

„Mandadas construir por D. Duarte (r. 1433-1438) para seu panteao, foram concebidas por Huguet, continuadas por Mateus Fernandes, a quem se deve o monumental portal de entrada (1509), e por João de Castilho a partir de 1528. O balcão do piso superior, já renascentista (1533), atribuído a Miguel de Arruda, representa a ultima tentativa de D. João III (r. 1521-1557) em concluir as capelas antes do encerramento definitivo da obra.“

Batalha - Mosteiro da Batalha - Capelas imperfeitas - planta de localizacao

Batalha - Mosteiro da Batalha - Capelas imperfeitas

É nestas capelas imperfeitas que apesar de sem cobertura central, se encontram os túmulos do Rei D Duarte, da Rainha D. Leonor de Aragão  do infante D. João filho primogénito de D Afonso V.Batalha - Mosteiro da Batalha - Capelas imperfeitas - Tumulos

Regressando ao interior do mosteiro, o ultimo local visitado foi o dormitório onde se encontra documentação e peças originais do mosteiro.

Batalha - Mosteiro da Batalha - Dormitório

Termino com este artigo com uma imagem do Mosteiro já à distância no momento de despedida da Batalha.

Batalha na despedida

Bürgerfest em Regensburg?

Muitas cidades na Alemanha, e em muitos outros países, inclusive em Portugal, as cidades organizam festas populares que decorrem por um período de tempo reduzido em áreas delimitadas dessas cidades, vilas ou mesmo aldeias.

Regensburg, orgulha-se de organizar igualmente uma festa desse género, uma “Bürgerfest”, ou seja, uma festa dos cidadãos, dedicada aos seus cidadãos e a todos quanto decidam visitar a cidade nessa altura e participar na mesma.

A cidade de Regensburg organiza  a sua  festa a cada dois anos que reforca a identidade dos seus cidadãos. Em 1973, foi lançada a ideia pelos amigos da Cidade Velha de Regensburg. O objectivo era aumentar a consciencialização dos seus cidadãos para a sua cidade natal e promover a sua reabilitação. Ao longo dos anos, esta festa tornou-se um grande evento, com uma reputação internacional e um grande número de visitantes. A organização é actualmente da responsabilidade do Departamento Cultural da cidade. Em 1992 a área abrangida pela festa foi estendida à ilha no Danúbio e à corda salva vidas do  Rio Danúbio.

Este ano de 2013 a Bürgerfest decorre entre 21 a 23 Junho.

A festa inclui pequenos palcos espalhados pela área da cidade abrangida, onde a musica se faz ouvir à distancia. Os géneros podem ser vários mas o tradicional tem algum protagonismo.

Regensburg Bürgerfest - pequenos palcos

Não se deixe apanhar desprevenido nem se assuste ao encontrar os Oberpfälzer Schlossteufeln, um grupo de Krampus (criatura mitológica, semelhante a um demónio, que acompanha o São Nicolau durante a época do Natal, e que ao contrário deste que dá presentes às crianças boas, avisa e pune as crianças más) e Perchten.

Regensburg Bürgerfest - Oberpfälzer Schlossteufeln

Não faltam bancos e mesas corridas de madeira, típicas dos “Biergardens”, áreas ao ar livre em que a cerveja, outras bebidas e alimentos locais são servidos, vendidos nas pequenas barraquinhas das redondezas. O difícil é com tanta gente, encontrar espaço livre numa mesa e banco.

Regensburg Bürgerfest - biergarten e palco

Também há um cortejo com bandas de sopro, como a escocesa de gaita de foles,  Grampian Police Pipe Band.

Regensburg Bürgerfest - Grampian Police Pipe Band

Um cortejo com algumas figuras assustadoras procurando representar algo, que confesso não sei bem o quê, mas que me pareceu estar associado à peste e morte, também percorre as ruas da cidade.

Regensburg Bürgerfest - Cortejo da Morte

E como já referido, a festa estende-se até à Ponte de Pedra e às margens do Danúbio.

Regensburg Bürgerfest - nas margens do Danúbio

Num Hotel Palaciano?

Quando visito alguma cidade relativamente perto de Munique, ou a uma distancia que ainda assim permite ir e regressar deixando tempo mais do que suficiente para a visitar, a questão ligada ao alojamento não se coloca.

No entanto, há edifícios aos quais não consigo resistir, e menciona-los torna-se quase um imperativo.

Ao passar pela Maximilianstraße, uma das estradas que constitui o centro histórico da cidade de Regensburg, no numero 28, é impossível não parar para deslumbrar a bonita fachada em estilo neo-rococó, do grande edifício amarelo construído em 1891, um elegante Palácio Bávaro.

Regensburg - Park Hotel Maximillian

Trata-se do Eurostars Park Hotel Maximilian, um hotel de 4 estrelas onde o moderno e o conforto se aliam à elegância clássica de forma perfeita, prometendo uma estadia requintada e inesquecível.

Indiscutivelmente se pretender visitar Regensburg, e procurar um local para a sua estadia por lá, este hotel pode ser uma óptima opção  Mas caso considere os preços elevados e pretenda algo mais acessível, pelo menos durante a sua visita à cidade, faça como eu, passe pela Maximillianstraße, nem que seja apenas para apreciar as fachadas do edificio…

E na Maximilianstraße, no numero 4 encontra-se um café, o Cafe Fürstenhof (Fürstenhof significa corte) existente desde 1911, com uma fachada que também é amarela e bastante interessante. As especialidades são da cozinha alemã.

O edifício partilha actualmente o espaço com uma sapataria no rés-do-chão (Koppenwallner Alfred Schuhhaus).

Regensburg - Café Fürstenhof

.

Há mesmo muitas…

Em Regensburg existem realmente bastantes igrejas no centro da cidade, pelo que é impossível para mim não me repetir ao reafirma-lo.

Este artigo pretende apenas apresentar mais algumas dessas igrejas.

A Nova Igreja Paroquial (Neupfarrkirche)  é uma igreja evangélica localizada na praça denominada de Neupfarrplatz. A sua construção foi iniciada após a destruição do bairro judeu num pogrom no ano de 1519.

Regensburg - Nova Igreja Paroquial - Neupfarrkirche

Esta igreja protestante luterana é a mais antiga igreja da reforma protestante em Regensburg. Não só é a igreja original da congregação protestante, como também é considerada como o ponto de partida para a propagação da fé protestante do norte para os países do Sudeste da Europa e dos Balcãs.

O Conselho da cidade de Regensburg em 1542 introduziu formalmente a Reforma na cidade e apenas os serviços da igreja protestante Neupfarrkirche ficou inicialmente disponível. Mais tarde outras duas igrejas ficaram disponíveis para os servicos protestantes, mas com a indisponibilidade posterior de uma delas, em 1628 havia uma clara uma falta de espaço adjudicado à comunidade protestante, o que abriu espaço para a existencia de uma nova igreja. A decisão de construir essa nova igreja, tinha sido feita já em Fevereiro de 1627 pelo Conselho da Cidade.

O mestre de Nuremberga, Johann Carl (1587-1665) foi contratado para projectar o novo edifício da igreja, apesar de nao ter experiencia como construtor e engenheiro de igrejas. Ele elaborou dois projectos:  o primeiro, de uma igreja salão com três naves na tradição do gótico tardio, e outro de um edifício salão sem colunas. Este ultimo foi apresentado  ao Conselho da cidade e finalmente realizado, com algumas modificações.

A pedra fundamental foi lançada  a 4 de Julho de 1627 e a Igreja foi inaugurada a 5 de Dezembro de 1631, sem a torre sul concluída, mas que devido ao caos da guerra religiosa, permanece inacabada até ao presente. O mesmo se aplica aos esplêndidos portais que foram previstos, mas que também permanecem inacabados.

A igreja da Santissima Trindade (Dreienigkeitskirche), na Am Ölberg 1, tornou-se assim a primeira igreja originalmente protestante no sul da Alemanha e reflecte na sua arquitectura a reforma da igreja e a compreensão da comunidade. E uma vez que não foram feitas alterações nos séculos seguintes, manteve a sua unidade e originalidade.  

Regensburg - Igreja da Santissima Trindade - Dreieinigkeitskirche

Regensburg - Igreja da Santissima Trindade - Dreieinigkeitskirche - interior

No Alter Kornmarkt 7, encontra-se o Mosteiro e Igreja Carmelita de S. José (Karmelitenkloster Sankt Joseph), erguidos no século XVII (os alicerces foram lançados a 12 de Outubro 1641 aquando da estadia do imperador Fernando III, mas por dificuldades financeiras a igreja só foi concluída e consagrada em 1672).

A presença das Carmelitas em Regensburg remonta ao século XII, onde permaneceram durante cerca de 80 anos, em que um novo convento foi construído em Straubing e estas terem-se mudado para lá. Foram necessários 300 anos depois para o imperador Ferdinando II nomear as Carmelitas descalças para Regensburg, e estas regressarem à cidade.

Regensburg - Igreja das Carmelitas

Chapéus há muitos…

Um clássico do cinema português, o filme “A Canção de Lisboa“, popularizou e celebrizou a expressão proferida por Vasco Santana de “chapéus há muitos, seu palerma”.

Mas não é de filmes ou de cinema que se trata este artigo, antes de chapéus, de uma grande diversidade de chapéus.

No centro histórico da cidade de Regensburg, existe uma loja de reconhecida e conceituada relevância a nível internacional, no que concerne à manufactura de chapéus, a “Hutmacher am Dom”. Localizada perto da antiga catedral, oferece aos seus clientes uma grande variedade de chapéus e acessórios em dois andares. Mais de 15.000 itens de chapelaria, de qualquer tipo e para cada estação, satisfaz qualquer procura nesse domínio.

Regensburg - Hutmacher am Dom

A fábrica Hutkönig (chapéu rei), existe desde 1875, mantendo-se em Regensburg  já há cinco gerações. O seu actual mestre chapeleiro é  Andreas Nuslan, um perfeccionista fenomenal.

Os chapéus são de superior qualidade, e feitos à mão usando antigas técnicas inglesas, que requerem entre 60 a 80 passos, para serem concluídos. Os chapéus são confeccionados com recurso a uma antiga chapeleira.

A máxima do negócio de família é encontrar um chapéu para cada cabeça.

Entre os seus clientes constam casas reais, a nobreza europeia, presidentes e/ou suas esposas,  famosos artistas de cinema, rádio e televisão, e o próprio papa.

Na festa da cidade “Regensburg Bürgerfest“, que este ano decorrerá entre 21 e 23 de Junho, é mesmo possível assistir ao vivo à confecção de chapéus, no exterior da loja Hutmacher am Dom, pelo próprio mestre e seus ajudantes.

Regensburg - Hutmacher am Dom - na Festa da cidade

A titulo de mera curiosidade. É possível encontrar uma pequena loja da Hutkönig, um pouco mais próximo de Munique, no Ingolstadt Village, acerca do qual já escrevi este artigo.

Mas para quem esteja manifestamente muito distante para visitar a loja em Regensburg ou no Ingolstadt Village, o Hutkönig disponibiliza actualmente uma loja online,