Nas Terras Altas escocesas

O segundo dia na Escócia começou no hotel, com um pequeno almoço continental para uns, e um tipicamente Macdonald escocês para outro.

Macdonald - pequeno almoço

O percurso previamente definido, sofreu alterações ao longo do dia, mas presumo que  o imprevisto também torna um dia de férias ainda mais interessante.

O mapa seguinte, (uma vez mais cortesia do Google maps) resume o resultado final, mas apenas em um sentido, porque o dia acabou uma vez mais no hotel em Inverness.

Segundo dia na Escócia - mapa

O primeiro local que mereceu uma paragem, foi totalmente inesperado. Era um local que o meu marido queria visitar mas que tinha desistido, ao constatar via internet que o local não estaria a laborar durante o período da Páscoa. Assim não se tinha preocupado em descobrir onde ficava concretamente.

No entanto, no percurso para o Castelo Dunrobin, ao apreciar a paisagem, vi uma tabuleta informativa que anunciava a proximidade da Destilaria Glenmorangie. Essa era justamente a destilaria sobre a qual o meu marido tinha pesquisado, e decidimos espreitar se realmente estaria tudo fechado ou se daria para visitar.

Glenmorangie street sign 1

Os prenuncios eram encorajadores, já que haviam vários automóveis, estacionados no parque.

Destilaria Glenmorangie 1

Efectivamente, era possível visitar a destilaria, mas foi a loja, em um  pequeno edífício anexo, que mais despertou a nossa atenção.

Destilaria Glenmorangie 2

A loja é elegante e selecta, e possuia algumas garrafas de Whisky que a avaliar pelo seu preço, suponho que só podiam ser excepcionais.

Destilaria Glenmorangie 3

Depois da destilaria, a viagem continuou em direcção ao Castelo Dunrobin, um dos castelos que eu tinha mais interesse em visitar nas Terras Altas escocesas.

Castelo Dunrobin - indicacao

O Castelo Dunrobin parece literalmente retirado de um Conto de Fadas.

Dunrobin Castle postcard

O Castelo Dunrobin é das grandes casas, a que se encontra mais a norte na Escócia, sendo mesmo a maior das Terras Altas com 189 quartos, e uma das casas britânicas mais antigas continuamente habitadas, datando em parte dos inícios dos anos 1300.

Trata-se da casa histórica dos Condes e Duques de Sutherland. A Primeira parte do edifício data de cerca de 1275 e possui várias extensões posteriores.

Eis a planta informativa do que se pode encontrar na propriedade.

Dunrobin Castle plan

E mesmo em um dia com muitas semelhanças a um outonal, não perde muito do seu encanto.

Castelo Dunrobin - castelo e jardim

Além do jardim, também tive o desprazer de visitar o Museu, anexo à propriedade, onde estão expostos os trofeus e comprovativos de caça dos ancestrais da família Sutherland. Para mim o museu pode ter o efeito de incentivar a caça furtiva, de alguma forma enaltecendo-a, o que só pode ter repercuções nefastas.

Castelo Dunrobin - Museu

Já dentro do Castelo, não era permitido tirar fotografias, pelo que as que possuo se limitam à entrada, onde se adquirem os bilhetes, o que não revela muito do seu interior.

Castelo Dunrobin - interior

Assim na loja não saí sem o Guia oficial do Castelo (e sem mais uma decoração para a minha árvore de Natal).

Dunrobin Castle guide

Após dar por concluida a visita ao castelo Dunrobin, eis chegada a altura de alterar os planos seguintes (que implicavam uma inversão de marcha e seguir no sentido contrário, em direccao à região de Speyside, especialmente pródiga em destilarias de Whisky).

Assim o destino continou em direcção à extremidade mais a norte da ilha da Grã-Bretanha, num percurso predominantemente junto à costa até John O’ Groats.

Percurso até John O Groats

O principal motivo para a visita a este vilarejo, é simples. O local é conhecido por ser uma das extremidades da distância mais longa entre dois pontos continentais britânicos habitados, com a extremidade da terra a sudoeste, em Cornwall a distar 876 milhas (1.410 quilômetros) de John O’ Groats.

John o Groats

Numa lojinha nas imediações, além de adquirir um postal ilustrativo do percurso destas 876 milhas, não resisti a comprar também uma bola com motivos escoceses para decorar a minha árvore de Natal.

John O Groats

Dever cumprido, chegamos a John O’ Groats, era por isso altura de finalmente regressar a Inverness, sem mais desvios previstos. Até porque o Castelo e Jardins de Mey, que fica nas imediações, estava ainda fechado ao publico.

A chegada a Inverness foi bem mais tardia que quaisquer previsões podiam antever, pois na viagem de regresso encontramos uma fila interminavel de veiculos na estrada, consequência de um veículo pesado a obstruir completamente as vias.

veiculo pesado na estrada

E descobrimos em “primeira mão” a parca quantidade de estradas alternativas e o quão estreitas, apenas com uma faixa de rodagem,  as estradas na Escócia podem ser.

O aspecto positivo do percurso alternativo utilizado, foi poder apreciar um pouco a costa oeste da Escócia, ver as ovelhas a uma incrível proximidade e desfrutar ainda mais da paisagem.

Percurso de regressoa a Inverness

Assim a chegada a Inverness foi apenas para jantar, e descobrir que a maioria dos Restaurantes escoceses estão interditos a menores de 16 anos a partir das 21h, por servirem bebidas alcoolicas e funcionarem como Pubs também.

Acabo este artigo com Inverness ao anoitecer, com o seu castelo e as margens junto ao Rio Ness.

Inverness ao anoitecer

Ano Novo… novas aquisições

Eu sempre fui muito apologista de cores e padrões nem um pouco discretos. Quem me conhece pessoalmente sabe que as minhas tendências pessoais são por vezes arrojadas.

No entanto no que toca a decorações e cores para a casa e o que me rodeia, contenho-me sempre, porque tenho noção que cores e padrões fortes são inversamente proporcionais ao tempo que se “suportam” os mesmos.

Ainda assim, este ano, uma das primeiras aquisições que fiz, foi um tapete para colocar do lado de fora da porta de casa, de uma marca que “já andava a namorar” faz imenso tempo. Neste caso foi a monotonia do tapete que eu tinha faz imenso tempo, que me saturou.

Se por um lado procurava um tapete sem nenhuma mensagem explícita de boas vindas como “Welcome”, por outro lado queria um que fosse convidativo e aprazível. (Confesso que o meu marido o achou demasiado colorido e indiscreto, mas também não era algo sóbrio o que eu procurava.)

tapete-da-entrada_0001

A marca que me fez render às vibrantes cores e padrões foi a Melli Mello que assenta na tendência em voga “Cross Cultural mix”. Um pouco ao estilo a que Christian Lacroix já nos habituou, e que eu adoro, e que se podem encontrar por exemplo nas exuberantes peças de porcelana criadas em associação com a Vista Alegre.

Admito que as peças de porcelana da Melli Mello, não me atraem tanto, mas nesse departamento sinto-me rendida às da Vista Alegre, ou ao serviço de porcelana colorido Royal que gradualmente tenho adquirido da Pip Studio (uma marca originária dos Países Baixos tal como a Melli Mello), cujas peças podem ver abaixo.

pip-studio-royal

Voltando aos artigos da Melli Mello, outros que achei interessantes, foram o quadro com o Mapa Mundo e o mural com um Panorama Urbano pois penso se adequariam bem num quarto infantil/juvenil feminino, mas não tenho nenhuma filha.

melli-mello-quadros-e-murais

Comentários com as vossas opiniões, preferências e afins, são mais do que bem vindos.

 

365 dias depois

Não é realmente dificil contar os dias que este blog esteve sem publicar qualquer novo artigo.

Apesar de não ter estado totalmente ausente, já que continuo a responder aos comentários que o blog recebeu com duvidas ou em busca de esclarecimentos adicionais, o facto é que nenhum artigo que descrevesse os locais que visitei ou as experiências  que vivi, viram por aqui a luz do dia.

No entanto, a todos os que por algum motivo passaram por aqui, visitaram artigos passados, deixaram comentários, inscreveram-se como seguidores do blog, deixo antes de mais o meu mais sincero e humilde agradecimento.

É impossível, para mim, que adoro esta época do ano, que começa com o Advento,tem o seu climax com o Natal, estende-se até ao Reveillon e extingue-se depois do dia de Reis, deixa-la passar aqui totalmente imperceptivel.

Eis chegada a altura, que já se tornou um pouco tradição para mim, de publicar imagens das decorações natalícias que adornam este ano a minha casa (sobretudo a sala) e lhe conferem um ambiente ainda mais caloroso e colorido (com uma clara predominância rosa, claro).

A imprescindível árvore de Natal, continua a ser branca, com enfeites especialmente na tonalidade rosa.

decoracoes-de-natal-em-casa_0015-2

Algumas das decorações são lembranças de onde estive durante o presente ano, pois o hábito  de procurar algo nos locais que visitei, que possam adornar a minha árvore de Natal mantem-se. Claro que isso implica que nem sempre o que atrai a minha atenção é uma decoração tipicamente natalícia, até porque estas ultimas nem sempre se encontram à venda 365 dias no ano.

Por exemplo, nas férias da Páscoa estive numa ilha encantadora nas Maldivas, perto da capital do país, Male, e de lá trouxe uma máscara que muitos se questionarão como se pode classificar como um adorno para a árvore. Efectivamente não o seria originalmente, mas em minha casa, foi justamente nisso que se tornou.

maldivas

Já nas férias de Verão, o destino foi bem mais próximo, mas englobou uma área mais abrangente em França, comportando algumas regiões. Assim da Provença, capital da Lavanda, trouxe uma bonequinha com este irresistivel aroma. Pode-se dizer que este ano a minha árvore emana um perfume bem mais agradável, incitando não apenas o sentido da visão, mas também o do olfacto.

provenca

O meu marido, que me conhece bem, também não fica indiferente a este meu hábito (tendo presenciado incontáveis vezes a minha busca incessante por encontrar algo que me agrade) e numa das suas viagens a trabalho, desta vez a Pequim e Shanghai, trouxe-me da primeira destas cidades, um pingente com o meu nome.

pequim

De uma das visitas mais inesperadas que fiz este ano, a Viena, trouxe uma bola com altos relevos de alguns dos locais mais emblemáticos e turísticos da cidade.

viena

As férias de Outono foram “profícuas” no que ao departamento lembranças diz respeito, apesar da dificuldade inícial. Em Varsóvia encontrei uma loja, a Bombkarnia, perto do Palácio da Cultura e Ciência, com decorações absolutamente fabulosas. No entanto, não tive oportunidade nos dias em que estive na cidade de entrar na mesma, pois atendendo ao horário, aos feriados e dias de fim-de-semana, encontrei-a sempre com as portas fechadas. De lá trouxe apenas as imagens do que vi e a vontade não satisfeita de adquirir uma das suas maravilhosas bolas.

varsovia

Já em Cracóvia tive mais sorte e encontrei numa loja, uma bola do estilo (acento tónico em estilo, pois as outras são incomparáveis) daquelas que tanto tinha adorado.

cracovia

Ainda em Cracóvia, não resisti a um anjinho em madeira, pintado à mão, com roupa típica polaca, numa das lojas do “Cloth Hall“. Mas uma vez mais tratava-se de algo que não foi originalmente criado para ser pendurado, pelo que tive que acrescentar uma fita à volta da sua cintura para o conseguir colocar na minha árvore de Natal.

cracovia-anjinho

De Bratislava, apesar de em termos de tonalidades não corresponder ao que por princípio procuro, trouxe uma bola de cerâmica regional com uma imagem alusiva ao castelo da Capital da Eslováquia.

bratislava

Com o aproximar do Advento tornou-se mais fácil encontrar decorações propositadamente natalícias, e não apenas nos Mercados de Natal, que são tão populares aqui na Alemanha.

No Mercado de Natal de Haidhauser em Munique, comprei um peixe em vidro do qual não conseguia tirar o meu olhar.

mercado-de-natal-de-haidhauser

No centro de Munique, numa loja histórica e emblemática da cidade, o Kustermann, adquiri um sino da marca italiana Alessi, com o motivo do menino Jesus (achei que uma vez que iria adquirir apenas uma das figuras do presépio, teria que ser a principal).

alessi-menino-jesus

Numa das lojas Butlers de Munique, adquiri uma figura retirada directamente de um conto de fadas dos Irmãos Grimm, o Principe Sapo.

principe-sapo

Remanescente do Natal 2015 passado em Portugal, povoa a árvore também a figura de um Anjinho em porcelana da Vista Alegre, da colecção Angels, ao qual este ano espero, outro lhe venha fazer companhia.

anjo-vista-alegre

Mas as decorações Natalícias não se resumem às que se encontram da árvore de Natal…

Este ano a minha Coroa do Advento de metal teve um “revestimento” inteiramente diferente, da de anos anteriores.

coroa-do-advento

As quatro velas, as duas poinsétias (conhecidas por flores do Natal) rosa claro e os dois pássaros rosa com longas caudas foram adquiridos no Pflanzen Kölle em Unterhaching.

As outras duas poinsétias mais lilazes, foram resultado da visita este ano ao romântico, conceituado e por mim tão desejado e ambicionado Mercado de Natal de Rothenburg ob der Tauber. Não foram adquiridas no mercado em si mas numa da lojas da Käthe Wohlfahrt que “empresta” à cidade muita da fama Natalícia e da designação de “Cidade Natal” que esta possui durante todo o ano.

Os outros dois pássaros foram um muito atencioso e carinhoso presente de uma amiga que vive em Dublin, na Irlanda.

No que a Mercados de Natal concerne, este ano visitei dois outros que também se inserem na categoria de Mercados de Natal românticos, pois decorrem em ambientes mais “medievais” de castelos. Os Mercado de Natal no Castelo Tüssling e no Castelo Kaltenberg. Ambos têm um charme diferente e especial, e recomendo vivamente, caso tenham oportunidade de os visitar, mas em nenhum deles encontrei algo rosa que quisesse trazer com o pretexto de decoração natalícia.

Nas decorações por aqui não pode faltar também um Calendário do Advento, ou o meu “cinco palmos” não teria um motivo extra para se levantar diariamente mais cedo, durante os primeiros 24 dias de Dezembro, para descobrir  o que o mesmo lhe reserva.

Este ano optei por uma pequena aldeiazinha onde preside o espírito Nostálgico Natalício (da Coppenrath), a rodear a sempre presente árvore dourada com as elfas da Isiss.

A  minha tradição de adquirir anualmente uma elfa durante a imprescindível visita ao Tollwood – Festival de Inverno manteve-se, e esta destaca-se das demais por ser predominantente em azul.

As luzinhas envoltas nas bolinhas douradas metálicas, podem encontra-las na Amazon por exemplo.

calendario-do-advento

Depois da extensa descrição das decorações que me rodeiam diariamente em casa, resta-me desejar-vos a continuação da vivência desta quadra especial do ano, da melhor forma possível.

O Espírito de Natal significa confraternização, família, amizade, partilha e amor ao próximo, renascer, paz, conquista, compreensão, reflexão, prosperidade…

Que o espírito do Natal não se extinga depois desta época e esteja presente em todos os dias do vosso novo ano.

Feliz Natal e um fantástico e repleto de boas emoções 2017.

Visitar Portugal. Lista de Compras???

Depois da popularidade que o artigo “Visitar a Alemanha. Lista de Compras?” obteve, pareceu-me quase obrigatório escrever um outro artigo sobre a mesma temática, mas em relação ao meu mais que merecido país natal, Portugal.

Ao contrário da Alemanha, Portugal não é nenhuma super-potencia reconhecida pela sua tecnologia de ponta, mas não faltam artigos pelos quais o país é reconhecido e celebre.

Portugal é um paraíso turístico para muitos, com diversas cidades e regiões a figurarem em listas turísticas de “top 10”. Com um riquíssimo património arquitectónico, cultural, gastronómico e histórico, uma privilegiada e extensa costa atlântica e mediterrânica, e um clima temperado, não faltam efectivamente motivos para muitos considerarem Portugal um destino turístico de excelência.

Quem visita Portugal, por certo tenciona levar um pouco do que é nacional quando regressa a casa, mas o que pode ser considerado genuinamente português, e que possui um “made in Portugal” na embalagem?

Fugir ao primeiro impulso de adquirir algo que se encontra facilmente nas lojas ditas de “souvenirs”, mas que nem sempre é fabricado no país em causa ou que é demasiado “out” do estilo adoptado em casa, pode não ser difícil.

Quando pensam em visitar Portugal já se questionaram: O que comprar?

Procurando agrupar de alguma forma por categorias de interesse, eis algumas das marcas/artigos que podem constar na lista (que não é de todo exaustiva, pois por certo outras marcas e artigos podem ser acrescentados, sintam-se à vontade para os mencionar)….

Perecíveis (para levar ou experimentar durante a estadia no país)

  • Por certo no topo da lista está o artigo perecível mais celebre do País, o famoso vinho do Porto. Claro que por ser tão conceituado não é difícil encontrar praticamente em qualquer outro país, mas nunca com a mesma diversidade de tipos que em Portugal.(Admito, comprar um produto perecível e líquido pode ser difícil quando se viaja de avião e apenas com bagagem de mão, pois só será possível adquiri-lo posteriormente nas lojas do aeroporto, onde a oferta é mais escassa e os preços mais elevados, mas se esse não for o caso, realmente o vinho do Porto figura no topo de qualquer lista).

Produtos portugueses - vinhos do Porto

  • Portugal possui várias regiões vitivinícolas, pelo que se for um apreciador de vinho de mesa, são diversas as possibilidades consoante as suas preferências. O site Wines of Portugal ajuda a esclarecer quaisquer duvida que possa surgir sobre o assunto.

 

Produtos portugueses - licores

 

Produtos portugueses - chocolates

Produtos portugueses - cafes

  • Doçaria conventual portuguesa, Conventual pois as suas receitas foram criadas por freiras que viviam nos conventos. É riquíssima, diversificada e especifica das diferentes regiões do país. O que esta doçaria em geral tem em comum é a grande quantidade de açúcar, ovos (sobretudo gemas) e amêndoa, nos seus ingredientes. Também é frequente encontrar doce de chila, e folhas de hóstia. O site da wikipédia sobre a doçaria conventual, é bastante sistemático ao enunciar os diferentes doces conventuais consoante as regiões a que pertencem. Se alguns são doces de colher e mais passiveis de provar “in loco” durante a estadia nessa região do país, outros são mais “resistentes” e podem ser embalados e transportados até ao local de residência. Eis alguns exemplos: Fios de ovosOvos moles de Aveiro, Pasteis de Tentugal, Pasteis de Belem

Produtos portugueses - docaria conventual

Produtos duradouros

  • Moda  – A industria textil é uma das mais antigas no país, pelo que não faltam marcas nacionais de vestuário, algumas bastante recentes, outras com uma longa história. As seguintes são apenas algumas: Tiffosi, Modalfa,  Salsa, Trottlemann, Lanidor, Decenio, Saccor Brothers. Eis algumas exclusivamente infantis e/ou juvenis: Metro Kids Company (embora tenha tido origem nos EUA), Zippy, Patachou, Laranjinha, Girandola
  • Calçado – Portugal é considerado um dos países produtores de calçado de excelência, pelo que enumerar apenas algumas marcas poderia ser considerado tendencioso (ainda assim não resisto a citar: Luis Onofre, Guava, SeasideFly London,  Apesar de estar longe de se restringir a uma cidade, S. João da Madeira é considerada por muitos como a capital do calçado portuguesa, dada a qualidade e concentração da industria dedicada a este ramo de actividade na região. ( Mas outras cidades reivindicam para si o titulo de “capital portuguesa do calçado“, como o caso de Felgueiras)
  • Bolsas, Carteiras e MaroquinariaCavalinho...

Quem melhor do que quem é natural e/ou residente num país, para conhecer quais os pontos fortes do mesmo em termos de artigos atractivos para um turista adquirir quando o visita.

Pilotar um avião sem sair de terra…

O meu marido ultimamente tem realizado viagens a trabalho com bastante frequência.

Consequência desse facto, eu tenho visitado o aeroporto de Munique com igual frequência.

Uma das ultimas vezes que aguardava a chegada do seu voo, descobri no Terminal 2, andar das chegadas (piso 03), algo que pode ser bastante interessante para muitos.

Trata-se de uma forma simples, fácil e mais ou menos acessível (por um valor, segundo a opção escolhida, que pode variar entre 89€ e 309€) de concretizar o sonho de ser o piloto de um Boeing 737, por um período mais ou menos curto (uma experiência de 30, 60, 90 ou 120 minutos ou num pequeno grupo 180 minutos).

Quem oferece essa possibilidade é a ipilot, com os seus simuladores em alguns aeroportos espalhados pelo mundo: Reino Unido (Londres), Alemanha (Munique, Hamburgo,  Dusseldorf, Dresden, Berlim), Suiça (Basileia e Zurique),  Republica Checa (Praga). Qatar (Doha), Emirados Árabes Unidos (Dubai).

Futuramente a ipilot estará disponível em outros aeroportos (Moscovo, Istambul, Orlando, Naples (Florida) e Kuala Lumpur)

O simulador permite levantar voo e aterrar em mais de 24000 aeroportos espalhados pelo mundo, é uma questão de o participante escolher quais.

Aqui pode encontrar uma vista panorâmica do exemplo de um simulador.

Se passar pelo aeroporto de alguma destas cidades talvez tenha curiosidade ou vontade de experimentar… mas convém que reserve antecipadamente 😉

Este é o video publicitário:

Mas este segundo video talvez seja um pouco mais ilustrativo do que se trata.

O dia de S. Valentim aproxima-se, talvez um voucher da ipilot seja o presente ideal para oferecer à “sua cara metade”.

Em véspera do aguardado Natal…

O Natal e o período que o antecede, o de Advento, são dos que mais aguardo ao longo do ano.

Adoro visitar os Mercados de Natal, decorar a casa a preceito,para viver com mais intensidade este período e ao longo do ano, gosto de adquirir decorações para a minha árvore de Natal, onde quer que vá.

Mas admito que acima de tudo, são as relações emocionais, os laços que me unem a familiares e a amigos, o que realmente é o mais importante nesta altura do ano. Uma altura especial para os rever e partilhar com eles salutares momentos.

Natal é indiscutivelmente a festa por excelência de celebração em família, no recanto do lar…

E é isso que desejo a todos os que passaram por este blog ao longo do ano e/ou que eventualmente o farão em 2014, o mesmo que desejo aos meus familiares e amigos:

Neste Natal peço ao menino Jesus que vos traga paz, amor, compreensão e saúde. Desejo que Deus esteja sempre no vosso caminho… Que os Anjos vos acompanhem sempre e tudo de bom vos possa acontecer…

Que as distâncias sejam superadas, e que desfrutem de muitas viagens para os vossos locais de sonho… 

Feliz Natal e um 2014 absolutamente fantástico.

Para manter a tradição já mencionada, estas foram as decorações adquiridas ou oferecidas ao longo deste ano, para tornar a minha árvore branca ainda mais repleta de rosa…

Resultado da troca de lembranças natalícias do ano transacto, um elefante trazido de Singapura por uns amigos a morarem lá actualmente, e uma casinha “handmade” pela mãe de uma querida amiga.

Decoracoes de Natal 2013 - Singapura e Portugal

Da ultima visita ao Castelo e Parque de Hellbrunn em Salzburgo, três frutas…

Decoracoes de Natal 2013 - Frutas do Castelo de Hellbrunn

Da recente estadia na Bélgica, um cavalo marinho adquirido em Bruges, da Goodwill.

Decoracoes de Natal 2013 - Cavalo Marinho Belgica

De uma das ultimas visitas ao Castelo de Neuschwanstein, uma bola com as imagens dos Castelos de Neuschwanstein e Linderhof.

Decoracoes de Natal 2013 - bola com os castelos de Neuschwanstein e Linderhof

Da visita à Ilha de Mainau, no Bodensee, Alemanha, um sino alusivo à ilha, da colecção “City Glocke” da Hutschenreuther (no ano passado tinha adquirido o de Munique e foi a lembrança do desafio de Natal)

Decoracoes de Natal 2013 - Sino da Ilha de Mainau

Uma cruz de Malta, adquirida durante as férias de Verão neste encantador país.

Decoracoes de Natal 2013 - cruz de Malta

Da Acessorize do aeroporto de Munique, um Bus inglês.

Decoracoes de Natal 2013 - Bus Ingles da Acessorize

De uma das ultimas viagens a trabalho do meu marido a Barcelona, uma bola com alguns dos ex-libris da cidade.

Decoracoes de Natal 2013 - bola de Barcelona

Este é o resultado final da Árvore de Natal depois destas e de outras decorações que já possuía de anos anteriores.

Arvore de Natal 2013

Em duas cidades belgas, duas lojas absolutamente adoráveis

Visitei a Bélgica no Outono, antes do actual período de Advento, mas como expectável as lojas já estavam preparadas para a época que se aproximava.

Em duas cidades, duas lojas mereceram a minha total atenção.

Em Bruges a loja denomina-se Lili & Martha e é absolutamente irresistível, sobretudo para mim que adorei as decorações natalícias, predominantemente da companhia belga Goodwill.

Bruges - Loja Lili e Martha

Escusado será dizer que, não resisti a adquirir o cavalo marinho rosa, e que me contive imenso para não adquirir outras decorações magníficas.

Em Bruxelas a loja fica situada na Rue au Beurre nº. 17, mesmo perto do Edifício da Bolsa de Valores. No exterior a loja não possui qualquer nome, talvez porque se trate de uma loja temporária.

Bruxelas - Loja de decoracoes Natalícias

Uma vez mais as decorações desta loja eram irresistíveis, e contive-me imenso para não adquirir nenhuma, pois o meu saldo de decorações natalícias destas férias na Bélgica já era positivo.